FANDOM


A grande batalha dos Gigantes chega ao final: Gigantomaquia - História de Sangue.

Os Cavaleiros que haviam se deslocado até o Monte Etna estão reunidos com Atena no Santuário da Grécia.

Eles tinham vivido muitas aventuras: seqüestros, lutas contra monstros mitológicos e até um dos heróis foi dominado pelo inimigo.

Nesta história temos revelações como o nome do mestre de Mei, um dos Cavaleiros de Ouro, a chegada de um amigo e a salvadora aparição de um poderoso aliado.

Além disso, são travadas batalhas ainda mais devastadoras mostrando a verdadeira razão desta nova Gigantomaquia.

A história clássica de Masami Kurumada jamais será a mesma após o final desta história de sangue.


Resumo do livro anterior, Gigantomaquia - A História de Mei

Na primeira parte desta história testemunhamos o reaparecimento dos Gigas, gigantes malignos que haviam sido aprisionados por Atena nas profundezas da Sicília, no distante passado das lendas mitológicas.

Depois de conseguir escapar de alguma forma, nos dias de hoje, os Gigas seqüestram a Amazona Yuuri. Seiya e Shun recebem a missão de resgate, sendo incumbidos também de verificar a integridade do selo de Atena. Seu meio-irmão Mei, atuando agora como um dos agentes secretos do Santuário, é escolhido para guiá-los nessa aventura pela Sicília.

Mas a mente de Mei havia sido dominada pela "Vontade de Tífon", o mais poderoso dos Gigas. Mesmo tendo sido transformado em uma espécie de marionete dessa influência maligna, Mei consegue reunir forças para se arrepender da traição, consciente do fato de que sua fraqueza possibilitou a ressurreição dos Gigas.

À beira da morte, Mei é salvo pelo grandioso amor de Atena, recebendo uma Armadura de Cavaleiro - o traje sagrado de Coma Berenices, que passa a ser sua constelação protetora. Para Mei, esse é o começo da guerra contra o seu destino, escrito nas estrelas desde os tempos da mitologia.

Enquanto isso, Tífon, ressuscitado, deixa para trás seus oponentes...


Equidna

O Santuário.

Vemos duas figuras nos aposentos ao fundo da Sala do Grande Mestre: uma menina-moça e um rapaz.

- Consegue me ver, Mei?

- Saori... - o jovem de cabelos prateados está deitado numa cama, e desperta lentamente. Em pé diante dele está uma donzela de beleza ímpar: a jovem encarnação da deusa Atena. - Eu... estava dormindo? - pergunta, Mei, percebendo que veste uma túnica de tecido macio.

O mais novo guerreiro de Atena já não está mais com febre nem suando, e em seu corpo não sobrou nenhum sinal das marcas das garras do Giga Tífon. Sobreviveu ao ataque, mas seu rosto pálido e sem cor dá a ele a aparência de uma pessoa muito doente.

- Você dormiu por mais de dez dias - explica a deusa, como se contasse a um náufrago quanto tempo esteve longe de casa.

Mei se lembra da batalha travada na Sicília contra os Gigas, gigantes mitológicos de tempos imemoriais, mas custa a recordar os detalhes. Aos poucos vai se lembrando de que tinha sido usado como uma marionete pela vontade do ressuscitado deus Tífon, e que por isso havia perdido quase todo seu Cosmo.

- Dez dias... Tudo isso...

- Mas estou aliviada... - suspira Atena. - Sua respiração era quase imperceptível... achei que nunca mais iria acordar. - A garota abre seu coração de forma surpreendentemente indefesa, tratando-se de uma deusa.

Por alguma razão, parece haver uma complexa mistura de sentimentos entre Saori e Mei, algo muito mais abrangente do que uma simples relação entre mestra e servo.

- Tenho uma surpresa para você. - diz Atena, gentilmente. - Uma pessoa que está aqui para lhe ver.

Ao sinal da deusa, aproxima-se do leito uma figura extremamente cerimoniosa, um homem alto, de cabeça raspada, vestindo um smoking preto.

- Tatsumi? É você? - pergunta Mei em um tom de surpresa.

- Que bom que o senhor está vivo! - diz o homem, com as feições carrancudas se desmanchando numa torrente de lágrimas. - Este seu criado... não tem palavras para descrever a alegria...!

Trata-se de Tokumaru Tatsumi, administrador da Fundação Graad, e dedicado mordomo da família Kido.

- Quer dizer então que você continua prestando serviços para a senhorita Saori? - pergunta Mei. O garoto guarda ainda a imagem de Tatsumi como uma espécie de babá ou guarda-costas da garota, impressão compartilhada na infância por todos os cem órfãos reunidos pelo falecido Mitsumasa Kido para se tornar Cavaleiros.

- Sim, senhor! Como o mestre Mitsumasa ficaria feliz se pudesse estar aqui comigo!

- Faz sentido... - continua Mei. - Atena é também a herdeira da Fundação Graad... Mas acho que pega mal andar de smoking dentro do Santuário!

Tatsumi solta uma risada sem graça e dá de ombros. Seu sorriso é sincero e os ombros, largos como os de um boxeador.

- Eu nem imaginava...! - diz Atena com uma voz trêmula.

- Você contou a ela, Tatsumi? Mas estava proibido de falar nisso, por mim e por meu pai.

- Eu sei, meu senhor! Tatsumi se curva diante do rapaz. - Mas... faz tanto tempo. O mestre precursor já não está mais entre nós e, como ele tanto desejava, a mestra Saori despertou como Atena. E... mestre Mei, o Senhor está vivo! Este seu servo não teve como se conter...

- Tudo bem, esquece - diz Mei, da forma mais calma que pode.

- Eu não sabia até agora. Mei, você é o herdeiro do vovô... da família Kido! Tatsumi me contou como você me tratou com carinho, como uma verdadeira irmã, enquanto eu era criada como a neta do Vovô. Na verdade, a herdeira da Fundação Graad não deveria ter sido eu, e sim...

- Não diga uma coisa dessas - interrompe Mei. - E, por favor, senhorita, nunca conte isso para Seiya e os outros.

- Você guarda mágoa do vovô? Das decisões tomadas por seu pai?

- Senhorita, a decisão não foi do mestre Mitsumasa! - Tatsumi não se contém, ansioso para que seja revelada a verdade escondida por tanto tempo.

- A decisão foi minha - explica Mei. - Quando descobri que os órfãos da instituição eram todos irmãos que tinham o sangue do mesmo pai nas veias... eu não suportei o fato de só eu estar recebendo um tratamento especial, sem que nada me faltasse, como herdeiro da Fundação Graad. Por isso, decidi por livre e espontânea vontade trilhar o mesmo destino dos meus irmãos.

- Por livre e espontânea vontade... - repete Saori em um tom pensativo.

- Mitsumasa Kido é o meu pai. E também o pai de Seiya, de Shun, de Hyoga... de todos os cem órfãos reunidos para ser Cavaleiros. Esse laço de sangue irá nos acompanhar por toda a vida.

- O vovô sofreu até o último instante de sua existência por ter mandado seus filhos numa vida infernal de sacrifícios, para que se tornassem Cavaleiros. Mas fez tudo isso para proteger o Amor e a Justiça sobre a Terra.

- Eu sei disso, senhorita. - Mei ergue o rosto. - Não guardo mágoa ou rancor do meu pai. Pelo contrário, sou grato por ele ter me deixado enfrentar o mesmo treinamento dos meus irmãos. Caso contrário, eu nem poderia olhá-los nos olhos ao reencontrá-los. Não poderia conversar com eles sobre nossa infância. Seria eternamente perseguido por um sentimento de culpa.

- Por favor, não se culpe.

- Pois eu digo o mesmo a você, Saori - Mei decide que está é a última vez que a chamará por esse nome. - A senhorita não deve reservar nenhum sentimento especial por mim. Hoje, você é Atena. E eu sou um Cavaleiro de Atena. Esse é o destino das estrelas, que eu mesmo escolhi seguir.

- Mestre Meu!? - a voz de Tatsumi parece cheia de surpresa. - O senhor pretende continuar escondendo a sua origem... os seus direitos?

- Pretendo. Quando eu ainda era uma criança, fiz essa promessa, e estava disposto a morrer por ela. Como poderia quebrá-la agora? Ao abandonar o sobrenome Kido, passei a ser apenas Mei. Por isso, Tatsumi, quero que você trate da mesma forma que me tratava quando eu entrei no orfanato. Nem que seja por fingimento, bata em mim como fazia com meus irmãos. E pare de chamar de mestre - completa o garoto, com um sorriso amargo.


- Atena! - interrompe uma voz vinda do lado de fora dos aposentados. Pedindo permissão à deusa, aparece na porta Nikol, Cavaleiro de Prata do Altar. - Mei! Você acordou! - exclama o homem. Seu rosto lembra o de uma estátua grega, de uma beleza intelectual e garbosa.

O garoto pula da cama e, com as pernas vacilantes em uma inesperada fraqueza, ajoelha-se diante do oficiante-mor. Nikol, por sua vez, vira-se para Atena.

- Na qualidade de Grande Mestre Substituto, portanto responsável pelos Cavaleiros, agradeço-lhe por ter salvado a vida de Mei - e continua, curvando-se levemente na direção de Tatsumi. - Ao nobre Tatsumi, também gostaria de agradecer por interceder junto ao exército e ao governo italiano na Sicília. - Só então Nkiol dirige a palavra ao jovem Cavaleiro. - Diga, Mei, você se lembra do que aconteceu enquanto estava controlado por Tífon?

- Sim, mas as lembranças são todas confusas. Não tenho muita certeza da ordem dos eventos.

- Nikol, seja paciente - defende Atena. - Mei acabou de recobrar a consciência.

- Vou tentar, deusa... mas precisamos muito de informações. A Terra está numa situação crítica. Tífon desapareceu na erupção do Etna e deve estar recuperando suas forças neste exato momento.

À medida que organiza seus pensamentos, Mei fica constrangido pelas coisas que fez enquanto estava sob o domínio de Tífon. Havia acertado Nikol com um golpe no teatro da Acrópole. E pior: por pouco tinha matado Seiya na Sicília.

- Como está o Seiya? - pergunta Mei, enquanto olha para as próprias mãos em choque. Ainda pode sentir nelas o calor do sangue do irmão. O garoto não se conforma com sua própria fraqueza. Como pôde ter ficado totalmente à mercê da Vontade de Tífon?

- Seiya está bem, os jovens se recuperam rápido - responde Nikol, quase brincando, com a mão na barriga, onde Mei o havia acertado. E então diz, num tom extremamente solene: - Atena reconhece Mei como seu novo Cavaleiro.

A revelação inesperada pega o garoto completamente de surpresa.

- Outorgo-lhe aqui o Traje Sagrado, que prova a sua missão de Cavaleiro... - continua Nikol, começando ali mesmo a cerimônia de nomeação do Cavaleiro.

Mei desvia o olhar para a Urna onde está a Armadura, colocada no canto do aposento. É uma caixa preta, tão escura que parece sugar a luz ao seu redor. Nela há a figura de uma mulher de costas, talhada em baixo relevo.

- Esta é a armadura de Coma Berenices, Mei, a sua constelação.

Ajoelhando-se diante do Grande Mestre substituto, Mei jura lealdade eterna a Atena, tornando-se então oficialmente o Cavaleiro da Constelação de Coma Berenices, o mais novo Guerreiro Sagrado de Atena.

- Em nome de Atena, eu, Nikol de Altar, ordeno-lhe Cavaleiro. Você deverá proteger Atena e defender a Justiça sobre a Terra. A Armadura Sagrada jamais deverá ser trajada em prol de interesses ou batalhas pessoais. Se porventura violar a norma e macular o Traje... a constelação, a armadura, ao invés de protegê-lo, irá destruí-lo.

- A armadura vai me destruir? - Mei parece estar confuso. - Afinal, o que vem a ser esta armadura negra?

De fato, a armadura de Mei não pertence a nenhuma das três hierarquias: Ouro, Prata e Bronze. Nikol decide que este é o momento de contar a Mei a história da antiga batalha contra os gigantes.


"A Morada de Typhoeus". Apenas um poema épico grego preserva nos dias de hoje o nome dos mais poderosos dos Gigas. Em tempo: "Typhoeus" é outra forma de escrever "Tífon", ou "Tufão". O deus dos Gigas é um redemoinho que não ficará satisfeito enquanto não destruir e consumir toda a Terra.

Renascido no mundo físico ao romper o selo de Atena, o deus gigante das tempestades se esconde no ponto mais profundo de um conjunto de cavernas entrelaçadas como um enorme formigueiro. À sua frentes está um Giga que veste um Adamas de Cornelia.

- Meu Senhor... - diz o Giga.

Mas Tífon não lhe dá atenção. Seus pensamentos estão longe.

- Atena conseguiu reencarnar nesta era em sua plenitude... - diz para si mesmo. A metade direita do seu corpo é forrada por labaredas, as chamas inabaláveis da grã-terra, enquanto relâmpagos preenchem a metade esquerda como terríveis ventos de tempos fantasmas. Da carne assimétrica nascem, como unhas, as placas do seu negro Adamas de ônix. Não é exatamente uma armadura, e sim uma couraça, como uma parte endurecida do corpo. - Atena conseguiu reencarnar nesta era em sua plenitude - repete. - Porém, o que dizer de mim? Deste meu corpo físico tão frágil?

- Quirri! O corpo de Encélado... frágil?! - surpreende-se Pallas, "o parvo". De fato é resistente e poderoso o corpo físico que foi oferecido a Tífon por seu irmão mais velho, o sumo sacerdote Encélado.

- Não é o suficiente para suportar a minha verdadeira força - responde Tífon, apalpando o queixo. O osso trincado pelos golpes de Mei no Monte Etna já está completamente recomposto. - Preciso de um receptáculo digno do meu poder.

- Com todo o respeito, vossa carne fulgurante foi totalmente rechaçada, em seus cinco membros, por Atena. - Com as palavras de Pallas, um fluxo mais intenso de luz brota das chamas e relâmpagos no corpo de Tífon, iluminando todo o interior da caverna. O local, com um imenso altar, assemelha-se ao templo subterrâneo do Monte Etna. Estamos na Terra Santa dos Gigas.

- Maldita seja Atena e seus Cavaleiros! - Tífon está diante do altar, sobre o qual está o que parece ser uma estátua de seios fartos, representando talvez uma deusa. Mas um coração pulsa na figura, denunciando tratar-se na realidade de uma mulher viva, apesar de ter as pálpebras e os lábios cerrados como se fossem feitos de pedra. Mais ainda: a imponente figura está grávida. - É a minha forma feminina - explica Tífon.

- Oh! - Pallas, "o parvo", parece estar hipnotizado pela beleza da forma feminina de seu mestre, inteiramente nua, seus contornos provocantes ocultados apenas pelos cabelos ondulados que chegam até a cintura. Basta um olhar mais atencioso para perceber escamas onde deveriam estar as pernas da criatura: sua metade inferior tem o formato de uma serpente.

- O Calabouço do Tempo Estagnado - pela primeira vez, Tífon dirige a palavra diretamente a Pallas. - Na antiga Gigantomaquia, pouco antes de ser exilado por Atena e seus Cavaleiros no Monte Etna, selei os Gigas sobreviventes. Não foi Atena quem prendeu os meus irmãos nas profundezas dos espaços fantasmas. Foi a minha Vontade.

- Como? - Pallas está confuso. Ele sempre acreditou que tinha sido aprisionado por Atena, juntamente com Tífon.

- Meus queridos irmãos mais velhos, ao contrário de mim, vocês não são imortais - continuou Tífon. - Se seu corpo físico fosse destroçado, vocês não ouviriam as preces de renascimento. Por isso, selei tanto sua carne quanto sua alma no Calabouço do Tempo Estagnado.

- Foi isso que aconteceu, meu Senhor? Vós, tendo em suas mãos o fantoche que foi Mei, inicialmente desatastes os lacres atados sobre nós, Gigas, nas mais diversas regiões e...

- E, mediante o sacrifício de sangue dos Cavaleiros e dos meus queridos irmãos, finalmente voltei à vida no mundo presente.

- E esta mulher, senhor? - pergunta Pallas, engolindo em seco.

- Esta é Equidna. - responde Tífon - A última das mulheres Gigas. Ela abriga em si o meu corpo carnal, o receptáculo da minha Vontade.

- Ah, então já estais preparando vossa própria reencarnação! - exclama Pallas, finalmente compreendendo o plano de seu mestre.

- Sim. O corpo carnal que Equidna guarda em seu ventre abrigará a minha Vontade. - E então, num tom um tanto desanimado: - Até lá, ficarei hospedado neste corpo horrendo.

- Realmente, que corpo horrendo! - uma voz surge das sombras, de onde emergem três figuras.

- Meus filhos - diz Tífon, sem ao menos olhara para os recém-chegados.

Pallas não entende mais nada:

- Quirri! Filhos?

- Meus filhos, gerados por Equidna em outros tempos, criados no berço do Tempo Estagnado. Os selos foram rompidos. - Tífon não chama seus filhos por seus verdadeiros nomes: se o fizesse, eles verteriam sangue pelas orelhas e enlouqueceriam. Da mesma forma, se os filhos mencionassem o nome de Tífon, a língua deles seria arrancara e eles perderiam a fala.

Assim as sombras se apresentam elas mesmas a Pallas:

- Ortos, "o cão bicéfalo do mal".

- Quimera, "a fera pluriforme".

- Ladon, "o dragão de cem cabeças".

- Filhos, ofereçam sua alma para a minha ressurreição.

As três figuras se ajoelham em silêncio diante da Vontade do deus dos Gigas.


Coma

Parte 1

Península do Peloponeso, extremo sul dos Bálcãs.

- Aqui também não tem nada - Seiya diz para si mesmo, ao examinar a parede de pedra. Ele reconhece a luz fraca que ilumina levemente a caverna, onde com certeza não chegam raios de sol. É a mesma que viu nas profundezas do Monte Etna, onde Tífon estivera aprisionado. - Com certeza este lugar já foi parte das Terras Santas dos Gigas - conclui o Cavaleiro de Bronze de Pégaso.

Esta caverna é bem menor que a do Etna. Não tem templos, apenas as ruínas de um altar de pedra. "Estranho...", pensa o garoto. "Tenho impressão de que alguém esteve aqui até agora há pouco." Seiya parece sentir os resquícios de um Cosmo, mas não há nenhum outro sinal dos inimigos. Com exceção dos morcegos, o Cavaleiro é a única criatura viva ali. Ele não tem escolha senão deixar a caverna para trás.

Anoitece em Atenas, o lugar sagrado da guerreira protetora da Terra. Yuuri, da Constelação do Sextante, vestida com um quitão e uma túnica escarlate, está no observatório estelar do Santuário. A seu lado, o Cavaleiro Mei.

- Parece um mar de sangue - comenta Mei, que veste camiseta e calças pretas, modernas, em contraste com a vestimenta clássica da garota. - Desde quando o entardecer ficou tão vermelho?


Parte 2

- A erupção do Etna foi a maior dos últimos séculos - explica Yuuri. - A poeira vulcânica formou uma espessa camada na estratosfera, bloqueando a luz solar, por isso o céu está vermelho. Segundo previsões dos pesquisadores da Fundação Graad, nos próximos três a cinco anos, a incidência de luz solar sobre a superfície terrestre vai diminuir em mais de 10%. - Instabilidade climática, prejuízos à agricultura, falta de alimentos... a coisa é séria - suspira Mei.

- Você já está bem? - pergunta Yuuri, com uma expressão preocupada.

- Eu ia perguntar exatamente isso pra você...

- Estou bem.

Yuuri tinha sido gravemente ferida ao ser seqüestrada pelos Gigas, mas parece estar quase inteiramente recuperada. Até mesmo sua máscara, que Mei havia quebrado quando estava sob domínio de Tífon, está novamente intacta, cobrindo seu rosto.

- Não tem problema usar a máscara por cima das bandagens?

- Fazer o quê? Esse é o dogma - a tradição diz que toda mulher que se juntar aos Cavaleiros deve abandonar completamente a feminilidade, escondendo sempre o rosto.

O piso destruído do observatório, onde antes se via um mapa do zodíaco, é testemunha do ataque de Mei.

- Sabe qual é o outro dogma? - pergunta Yuuri, num tom quase maroto, antes de colocar-se em posição de ataque, ensaiando aplicar um golpes na garganta de Mei, com um shuto, ou sabre de mão. - Para uma Amazona, ficar com o rosto exposto é mais humilhante do que ficar nua em público. Se alguém vir o seu rosto, a Amazona terá que matar essa pessoa.

- Essa regra eu conheço - sorri Mei, ignorando os poderosos punhos de Yuuri contra seu pescoço. - Então você matou os médicos? Como é que eles operaram sua cabeça sem olhar?

- Os médicos são outra história...

- Ei, não tinha uma alternativa? - continua Mei. - Amar quem visse seu rosto?

- Você está tirando sarro de mim - suspirou Yuuri. - Que imprudente. Acha que eu não seria capaz de matá-lo?

- Você não tem motivo. Infelizmente não vi seu rosto. Ou melhor, eu não me lembro. Minhas lembranças de quando eu estava sob o poder de Tífon são confusas. Sei que quebrei sua máscara aqui mesmo... mas não consigo me lembrar dos detalhes.

- Que amnésia mais conveniente - diz Yuuri, recolhendo seu shuto, meio a contragosto. - Se for pra amar um homem irresponsável, prefiro acreditar que não viu mesmo meu rosto... Onde já se viu um desleixado como você ser ordenado Cavaleiro... As estrelas devem estar protestando. Que tipo de aprendizado você teve com seu mestre?

- Ah, vários tipos... - responde Mei, piscando. - Aprendizado de vida.

- O destino da sua constelação é bem menos agradável que isso - a voz de Yuuri soa agora entristecida. Ela ergue os olhos ao céu. A coloração púrpura do pôr-do-sol vai sendo gradualmente submersa nas trevas.

- Está difícil de enxergar as estrelas, hein? - comenta Mei.

De fato, a atmosfera parece estar coberta por uma densa névoa.

- Tífon cobriu o céu estrelado de cinzas. Com isso não consigo enxergar direito o mundo ou o futuro - lamenta Yuuri. - E sua Constelação, Mei, é mais difícil de enxergar do que as outras - continua, apontando um ponto do céu.

No lado oeste do firmamento sobram ainda as últimas constelações da primavera. Um pouco acima de Virgem, entre as estrelas Denébola e Arcturo, fica a Constelação Coma Berenices. É um conjunto de pálidas estrelas: por mais límpido que esteja o céu, visualizar nela os longos cabelos de uma mulher é um verdadeiro exercício de imaginação.

- Pode não parecer, mas nela estão galáxias inteiras - explica Yuuri.

- Por isso a chamam de "janela de galáxias", não é?

- Ora, vejam só... - a garota está surpresa com os conhecimentos de astronomia de Mei.

- São galáxias distantes - continua Mei. - Podemos enxergá-las porque estão ao norte da Via Láctea, num pedaço do céu onde tem menos estrelas.

Yuuri muda de assunto:

- Estou preocupada com Seiya e os outros que foram atrás de pistas de Tífon, todos os que são capazes de andar estão nessa busca, neste momento só há Cavaleiros feridos no Santuário.

- Tífon não é como os deuses do Olimpo, que querem o domínio da Terra - reflete Mei. - Não sabemos o que ele realmente pretende, e isso é assustador.

- Pensei que os Gigas quisessem dominar o planeta...

- Pode ser... Mas os Gigas são como escravos presos pelo temor a Tífon. Uma Vontade divina viciada como a dele jamais fica satisfeita, a não se r que destrua tudo e, no final, a si mesmo.

- Quando você foi marionete do Tífon, você tocou a "Vontade" dele? - pergunta Yuuri. - Eu sei que você prefere esquecer, mas gostaria de saber mesmo assim.

Mei esconde o rosto, como se estivesse se lembrando de um pesadelo.

- Vem comigo até a biblioteca - continua Yuuri, pegando sua mão. - Quero ouvir o que você tem a dizer.


Parte 3

Na margem norte do Mar Negro: uma região da Ucrânia, antigamente conhecida como Cítia.

- Também não é aqui - diz Hyoga. Uma parede bloqueia sua passagem.

A armadura do Cisne, branco-azulada, e os cabelos loiros do garoto brilham levemente na escuridão, prova de que esta foi uma das Terras Sagradas dos Gigas. Na caverna vazia vemos apenas os restos de um altar de pedra.

- Este cheiro... é o cheiro de Tífon - continua Hyoga, para si mesmo, esfregando o nariz. Seu Cosmo capta uma sensação anormal no ar. - É como se fosse um resto chamuscado de uma Vontade maligna... Talvez o próprio Tífon tenha passado por aqui. Mas para quê?

Os rastros deixados eram insuficientes para qualquer conjectura.


Parte 4

- Eu tinha um medo terrível de desgostar Tífon e ficar exposto ao seu temor - conta Mei.

- Como os Gigas? - pergunta Yuuri.

- É... Eu entendo porque os Gigas cultuam Tífon. É um domínio psicológico absoluto... suficiente para que ofereçam a própria vida em sacrifício.

- Você sabe o que é o Calabouço do Tempo Estagnado? - Yuuri anota com cuidado todas as informações fornecidas por Mei.

- É uma espécie de selo temporal. Tífon selou os Gigas sobreviventes da antiga Gigantomaquia em diversas partes do mundo. Ao contrário dele, que é um deus, e portanto imortal, os outros Gigas não são diferentes dos humanos, têm uma vida terrena limitada. Parar o tempo foi o único jeito de fazê-los retornar com seu corpo físico depois de tantas eras.

- Um dom secreto dos deuses - suspira Yuuri.

- Depois de possuir meu corpo... - continua Mei. - Tífon rompeu os lacres temporais e trouxe os Gigas de volta à vida.

- Quantos Gigas renasceram?

- Só me lembro de quatro: Ágrios, Toas, Pallas, e Encélado.

- Mas tem uma coisa estranha aí... - comenta Yuuri, pensativa. - Segundo os registros do Santuário, Tífon e todos os Gigas foram selados por Atena.

- Faz sentido que a deusa tenha selado Tífon, que é imortal. Mas não haveria razão para deixar os Gigas vivos dentro dos lacres. Esses livros históricos do Santuário são confiáveis? - questiona Mei.

- Dizem que "verdade" e "realidade" são conceitos diferentes. É a mesma coisa com história e realidade. A Revolta de Saga, por exemplo: é um desafio decidir como ela vai constar na história oficial.

- De certa forma, seria correto dizer que os Cavaleiro de Ouro de Gêmeos foi possuído por sentimentos malignos e assassinou o Grande Mestre - sugere Mei. - Mas transmitir isso para os Cavaleiros do futuro...

- Não é muito apropriado - completa Yuuri.

- O oficiante-mor diz que o Saga sofria de esquizofrenia, tinha duas personalidades, uma de justiça e outra do mal.

- O Saga em si não era o mal absoluto - concorda Yuuri. - Mas tentou trair Atena e provocou uma crise interna que causou a morte de um número enorme de Cavaleiros.

- De qualquer forma, Atena, a guerreira defensora da Terra, deve sempre aparecer na história fundamentada por justiça inabalável e emoldurada por vitórias inquestionáveis - diz Mei, com ironia.

- Credo, você fala coisas perigosas com a maior cara de inocente! - comenta Yuuri. - Se o Mestre Nikol soubesse, acho que tiraria o título de Cavaleiro de você...

= Então fica entre nós, tá? - brinca Mei. - Não quero bater o recorde de ser o Cavaleiro que ficou o menor tempo com o título.

- Vou lhe fazer o favor de não escrever o que você disse. - O tom de voz de Yuuri continua sério. - O que a história oficial de Atena precisa são as guerras santas e a verdade histórica das vitórias. Isso dará coragem para os Cavaleiros das próximas gerações enfrentarem o combate. Não há necessidade de conservar registros de Cavaleiros que sofreram amargurados entre a justiça e o mal, ou que sentiram compaixão pelos inimigos.

- Atena é a Justiça - concorda Mei.

- Exatamente. Quem duvidar disso nunca vai conseguir ser um Cavaleiro de verdade, defender aquilo que precisa.

- Seu rosto - Mei muda de assunto. - Falar com uma mulher sem expressão facial é mais assustador do que enfrentar Tífon.

- Não pode ser pior do que olhar para esse seu sorriso sonso - responde a garota, dando de ombros.

- Por que seu nome é Yuuri? - insiste Mei. - É um nome de homem, não é?

- Não é meu nome verdadeiro. Os Cavaleiros devem romper todos os laços com a sociedade mundana, podendo inclusive abandonar seu nome de família. Não sei se é o caso do Seiya, do Shun, do Hyoga... mas acho que poucos Cavaleiros usam o nome que seus pais lhes deram.

- Nós somos irmãos, filhos de um mesmo pai, mas fomos criados como órfãos - a voz de Mei torna-se séria. - Desde o começo, não tínhamos nada a perder. Mei é só Mei. Seiya é Seiya, Shun é Shun, Hyoga é Hyoga...

- Acho que vocês são filhos das estrelas - filosofa Yuuri. - Eu uso nome de homem por questão de espírito.

- Aquele papo de que uma mulher que vira Amazona tem que abandonar sua feminilidade? - Mei volta ao seu tom sarcástico. - Você é tão antiquada!

- E você é malcriado.

- Deixa eu adivinhar: seu nome verdadeiro é Yulia.

- Além de malcriado, você é simplório. Minha vez de fazer perguntas. O que é essa cor de cabelo? Está na cara que é artificial: a raiz é preta!

- Esse cabelo, se quer saber... - diz Mei, sorrindo, - é uma prova de respeito ao meu mestre.

Mas Yuuri já perdeu a paciência com o papo furado de Mei. Arrumando rapidamente as coisas sobre a mesa, a garota levanta-se e desaparece pelos fundos da biblioteca.

- Yuuri - diz Mei, soltando um suspiro. E sussurra, para si mesmo: - Em japonês, esse é um nome muito feminino...


Parte 5

- Poucos textos falam da Gigantomaquia nos registros históricos do Santuário. Nos livros oficiais, não há uma linha sequer - explica Nikol para Atena, enquanto ela se acomoda no trono da Sala do Grande Mestre.

- Isso acontece porque a Gigantomaquia não foi uma guerra santa.

- Sim, deusa. O fato é que não temos informações concretas que possam indicar o paradeiro de Tífon. - Por essa razão, Nikol coletou pistas de locais relacionados a Tífon e seu clã em poemas épicos e fábulas, enviando os Cavaleiros para esses lugares em busca do deus dos Gigas. - Muitas vezes as lendas trazem a realidade escondida dentro de si.

- Nesta batalha, o tempo não será nosso aliado - diz Atena.

- Tem razão, deusa. A cada minuto que passa, Tífon recupera mais do seu real poder, tornando-se um inimigo cada vez mais poderoso. A prioridade é localizá-lo o quanto antes.

- Mas não estamos deixando o Santuário desprotegido? - interrompe Tatsumi.

- Por isso chamamos mais um Cavaleiro: Kiki já retornou dos Cinco Picos Antigos.

- Nikol! - Atena está surpresa.

- Ele deve cumprir suas obrigações de Cavaleiro - responde Nikol, firmemente.

As Doze Casas do Zodíaco são os recintos dourados das constelações, a espinha dorsal do Santuário. Os signos de Áries, Touro, Gêmeos e assim sucessivamente dão nome às casas no caminho que leva ao Templo de Atena, bem como aos Cavaleiros que as guardam.

- Então foi aqui que ocorreu a Batalha das Doze Casas... - Mei deixou há pouco a Biblioteca no sopé do Santuário, e agora sobe a escadaria das Doze Casas.

O espaço das Casas está totalmente preenchido pela proteção das estrelas. Nenhum paranormal, por mais poderoso que seja, consegue se teletransportar na escadaria ou no interior das Casas. A única forma possível de percorrer o caminho é pelos degraus que Mei sobe neste instante.

Os Cavaleiros de Bronze, como Seiya, Shun e Hyoga, irmãos de Mei, lutaram aqui contra o mal oculto no interior do Santuário, protegendo Saori Kido, a deusa Atena. Os detalhes estão registrados na história oficial, mas é importante ter em mente que as Batalhas das Doze Casas foram os combates entre os Cavaleiros de Bronze e os de Ouro durante a chamada Revolta de Saga.

"Trágico... Cavaleiros lutando entre si", pensa Mei, entristecido ao se lembrar de que muitos Cavaleiros perderam a vida nesses confrontos. Ele não participou da luta porque na época já estava sob o domínio de Tífon, no Monte Etna.

A noite está serena. Mei percorre a Casa de Gêmeos, que deveria ter sido protegida por Saga, chegando então à quarta casa, a de Câncer.

- Outra Casa sem o seu guardião - diz Mei para si mesmo.

O lugar, que deveria estar brilhante e alvo como a Via Láctea, encontra-se pesado e turvo como ruínas abandonadas. Mei está sem palavras. De repente, passos. O garoto vira-se para trás.

- É você, Shiryu? - pergunta, reconhecendo imediatamente o Cavaleiro, apesar de os dois não se encontrarem há anos.

- Quem é...? Este Cosmo...

- Sou eu, Mei.

- Mei! - Shiryu está realmente surpreso.

- Você foi treinar nos Cinco Picos Antigos da China! - continuou Mei. - Então essa é a famosa Armadura do Dragão, polida pelas águas da cachoeira de Rozan.

A constelação de Shiryu é a do Dragão. Seu traje sagrado é formado por placas de oricalco, aglutinadas como escamas. A peça do braço direito traz um pequeno escudo circular, símbolo da própria armadura. Shiryu é um rapaz bonito, de rosto corado, com aparência de certa forma oposta à truculência do Dragão - seu corpo é fino e ele tem longos cabelos pretos na altura da cintura, lembrando um galante wakamusha, como eram chamados os jovens samurais.

- Fui convocado pelo Grande Mestre Substituto para proteger o Santuário - explica Shiryu.

- Os seus olhos... - diz Mei, cuidadosamente. - Eu não sabia... Quando isso aconteceu?

Os olhos de Shiryu estão fechados, o Cavaleiro agora é cego.

- Foi durante a batalha - responde Shiryu. - Quando cumpríamos nossa missão de Cavaleiro.

É bom explicar que a perda da visão não é algo debilitante para Shiryu. Os Cavaleiros de Atena dominam o Sétimo Sentido, a habilidade de "sentir" o Cosmo e a presença de outras pessoas. Embora seja praticamente impossível explicá-lo em palavras, o Sétimo Sentido supera os cinco sentidos tradicionais, e até mesmo o sexto. Shiryu nem sequer precisou de ajuda para subir as escadas.

- O que você estava fazendo aqui, Mei? - pergunta. - Sem a visão, posso sentir, embora de forma limitada, os sentimentos das pessoas. Parece que você estava sentindo uma tristeza profunda.

- Eu estava pensando no meu mestre - responde Mei, respirando fundo e erguendo os olhos para o céu. - Fui treinado na Sicília. Meu mestre o Cavaleiro Dourado que guardava esta Casa.

- O Cavaleiro de Câncer - completa Shiryu, subitamente assumindo uma expressão severa.

- Pois é, eu estava conversando com ele. O meu mestre virou estrelas, sabe? - Mei ri e ironiza, mas a expressão de Shiryu permanece séria.


Parte 6

Anatólia: península da Ásia Menor, cercada pelos mares Egeu, Negro e Mediterrâneo. Palco de antigas lendas gregas. Hoje a maior parte de seu território pertence à Turquia.

- Que lugar misterioso... - comenta Shun consigo mesmo. O garoto de cabelos cor de linho veste a Armadura de Andrômeda e suas correntes.

É noite. Uma espécie de floresta de pedras cobre o imenso vale. São centenas, milhares de rochas dos mais diferentes tamanhos, chegando a dezena de metros de altura, muitas no formato de gigantescos cogumelos. A paisagem foi esculpida por milhares de anos de atividade vulcânica: um lugar tão fantástico que não parece real. Shun pula de uma pedra para outra com leveza, acompanhado pela sombra do luar pálido.

O Cavaleiro de Bronze de Andrômeda cumpre ordens do Grande Mestre Substituto Nikol: está em busca da morada de Tífon. O Monte Arima, que fica nesta região, foi citado em um poema épico e, como sabemos, as lendas às vezes trazem a verdade escondida.

É uma corrida contra o tempo. A cada minuto Tífon se torna mais poderoso e temível. Por isso Nikol está tão compenetrado nessa busca, enviando em missões de investigação Shun, Hyoga e até mesmo Seiya, que ainda não está completamente recuperado. Neste momento, o esforço inclui os vários Cavaleiros espalhados ao redor do mundo, bem como os agentes secretos do Santuário.

"Se Tífon tem o poder de controlar vulcões...", pensa Shun, observando a tênue fumaça branca que sai do Monte Arima, "... o que acontecerá com a Terra se ele recuperar sua verdadeira força?"

Sem dúvida seria o fim da humanidade e de qualquer forma de vida no planeta. Desde a erupção incomum do Etna, havia sinais de atividade vulcânica ali e em diversas partes do mundo. Cientistas alertavam para o risco de uma nova Idade do Gelo, ou da extinção em massa das espécies, como tinha acontecido com os dinossauros. Alguns fatalistas mais apressados já professavam o fim do mundo.

- Não! Não enquanto Atena e os Cavaleiros estiverem aqui! Jamais permitiremos! - Shun reafirma seu compromisso, cerrando o punho.

Neste momento as correntes de Andrômeda, dotadas de um incrível senso de defesa, assumem espontaneamente a formação da nebulosa Zowah, alertas à presença de um Cosmo desconhecido.

- Quem está aí...? - pergunta Shun na direção da floresta de pedras. O garoto percebe nitidamente um instinto agressivo e totalmente exposto, como a de um tigre ou de um lobo, sem a menor preocupação em se esconder. - Ah, aí está você! - Shun lança a corrente do braço direito, que forma um arco parecido com um bumerangue e captura alguém que escondia atrás da coluna de pedra. - Um dos Gigas?

Na batalha da Sicília, Ágrios, "a força brutal"; Toas, "o relâmpago célere", e o sumo sacerdote Encélado, "o brado de combate", ofereceram-se em sacrifício para Tífon. E o Cosmo sentido por Shun não é o de Pallas, em teoria o único discípulo de Tífon que ainda está à solta. Será que existem outros Gigas sobreviventes? Ou será que Tífon ressuscitou outros Gigas após a erupção do Etna?

Shun sente sua pele se eriçar, como se uma lâmina afiada estivesse alisando a superfície de seu corpo.

- São dois...! Espera aí, são três?!

As figuras cercam o garoto como caçadores em volta da presa. A vida de Shun está em perigo. O ataque combinado de três Gigas sugere que Tífon está ali: entre todos os Cavaleiros que buscam o deus maligno, Shun tirou o bilhete premiado.

As sombras aproximam-se ainda mais. Podem ser monstros lendários ou demônios mitológicos. Com certeza são inimigos, as silhuetas emanam reflexos escuros de armaduras de Adamas. A corrente circular no braço esquerdo de Shun faz um zumbido, reagindo à pressão dos Cosmos agressivos. O Cavaleiro chama de volta a corrente triangular e a ergue para o céu, fazendo cintilar grãos de poeira estelar.

- Atena! - grita Shun, enquanto sua visão é completamente coberta pelas três figuras de Adamas que avançam sobre ele.


Parte 7

- Nikol, por que você chamou Shiryu? - a voz límpida e aveludada de Atena dirige-se ao Grande Mestre Substituto.

- Deusa, qual é o problema de convocar os Cavaleiros para o Santuário nesta situação de emergência?

- Você sabe do que estou falando.

- Diz isso por que Shiryu está cego?

- Shiryu havia retornado para os Cinco Picos Antigos e finalmente estava começando uma vida tranqüila ao lado da Shunrei, a filha adotiva do grande Mestre Ancião. Ele havia se retirado dos combates, estava arando e cultivando a terra, na maior serenidade...

- Atena, está sugerindo que Shiryu não é mais um guerreiro? - pergunta Nikol, respeitosamente.

- Shiryu sofreu demais nas batalhas! Por culpa minha, por causa da minha fraqueza! Eu tirei a visão de Shiryu. O que mais vou tirar dele? - Atena desabafa seus sentimentos mais produndos.

- Mas ele não devolveu a armadura - diz Nikol após alguns minutos de silêncio. - Não conheço nenhum homem mais sincero, esforçado e leal. Espero sinceramente que, no futuro, alguém com a moral, a sabedoria e a bravura de Shiryu assuma o papel central dos Cavaleiros no comando do Santuário - continua o Mestre. - Eu respeito e admiro a escolha de qualquer homem que decidir viver humildemente para se dedicar a uma mulher. Mas o destino da constelação de Shiryu não aceitará isso. E mais, ele próprio não permitirá que isso aconteça. Shiryu será o Cavaleiro de Dragão até que o destino da constelação seja cumprido.

- Se isso é verdade, a pobrezinha da Shunrei sofrerá muito. - A voz de Atena está entristecida. Não podemos nos esquecer de que ela carrega em si a alma de Saori Kido, e portanto sofre com questões humanas.

- Peço que aceite esse destino, deusa. A senhora pode ter sido responsável por Shiryu ter perdido a visão, mas, mesmo que venha a tirar seus braços, pernas, a moça que ele ama ou a própria vida... mesmo que o prive de tudo, Shiryu continuará inabalável em sua convicção de morrer lutando por Atena. É preciso que respeite os sentimentos dele.

- Mas Mei e Shiryu... Aqueles dois não se entendem...

- Os estreitos laços do carma que une os dois também são parte do destino. Enquanto ambos foram Guerreiros Sagrados, não haverá como fugir dele. É algo que eles precisam superar, e eu tenho certeza de que ambos conseguirão. São verdadeiros Cavaleiros.

Neste momento, um objeto não identificado rompe o espaço, fazendo um barulho alto e repentino.

- Ai! - surpreendido pelo impacto, Tatsumi, que estava no canto da Sala do Grande Mestre, cai no chão.

Nikol avança em direção ao trono de Atena a uma velocidade superior à do som, protegendo a deusa com seu corpo e sua armadura.

- É a Corrente de Andrômeda... - Atena se levanta e corre para o centro da sala. De fato, em cima do tapete central está a corrente, na verdade, apenas um pedaço dela. O artefato rompeu o espaço para surgir no Santuário.

- Será que aconteceu alguma coisa com o Shun...?

- Ele foi enviado para Anatólia... para o vulcão Arima.

- Será que Tífon está lá?

A única certeza é de que Shun está em perigo. Uma situação tão grave que ele não teve outra forma de avisar senão se valendo da capacidade da corrente de atravessar dimensões.

Atena segura a corrente enviada por Shun, sobressaltando-se imediatamente.

- Este... este Cosmo?

Nikol também é capaz de sentir a energia maligna que preocupa Atena.

Nesse exato momento, uma estrela com cauda prateada despenca do céu encoberto pelas cinzas. Shiryu de Dragão sente que um Cosmo terrivelmente violento invade o Santuário.

- Mei? - diz o Cavaleiro cego, virando-se para trás. Mas o garoto não está ali. Sem esperar ou avisar Shiryu, Mei retorna pelo caminho das Doze Casas Zodiacais, rumo à biblioteca, onde se depara com uma imagem assustadora.

Uma ventania de papel. As páginas do livro, agora em frangalhos, espalham-se pelo ar e pelo chão, em milhares de pedaços. Yuuri está caída, imóvel, no chão, com a veste escarlate de Oficiante Auxiliar do Santuário. Quem poderia imaginar que ela registraria sua morte com o próprio sangue no Livro da História que tem em mãos?

- Yuuri!

- Quirri! - Uma risada por trás das estantes da biblioteca. A morte, vestida soturnamente com Adamas de cornelia escura, havia violado as redomas protetoras do Santuário.

- Pallas!

- Humph... É a marionete do meu senhor? - responde o monstro. - O recipiente descartado ainda vive? - O Giga "parvo" provoca Mei, pisando no corpo morto de Yuuri.

- Ora, seu...!

- Quer morrer também? - pergunta Pallas, erguendo as garras tingidas de sangue e fios do cabelo prateado de Yuuri.

As batalhas dos Cavaleiros são travadas a um passo da morte. Por atingirem a essência da destruição, podendo até mesmo romper átomos, às vezes a disputa se decide num instante, e de forma cruel. Este pode ser o futuro de qualquer Cavaleiro: seriamente ferido, sem armadura, atacado de surpresa por um inimigo cujo poder se equipara ao dos Guerreiros de Atena - neste caso, um Giga poderoso. A Amazona morta não teve a menor chance: a proteção da estrela de Yuuri se esgotou.

Para Mei é a morte de uma companheira insubstituível, com quem lutou lado a lado por Atena.

- Esse Cosmo maligno... é um dos Gigas? - pergunta Shiryu, entrando na biblioteca.

- Quirri! Mais um moleque de bronze! - desdenha Pallas.

- Não chegue perto, Shiryu - avisa Mei.

- Se você está preocupado com a minha cegueira, pode esquecer. O Cavaleiro de Dragão não é inferior a nenhum outro!

- Não é isso - retruca Mei. - Este inimigo é MEU! Fui eu que rompi o seu lacre.

- Ah, como deve ser frustrante... - continua Pallas. - Quirrirri! Vocês finalmente conseguem salvar a menina, e ela é assassinada assim tão facilmente. Cortei sua gargantas com estas garras, arranquei seus cabelos e sua máscara! Que felicidade!

- Quieto, animal! Não vou tolerar mais esse tipo de coisa nas Terras Sagradas do Santuário! - Shiryu é incapaz de conter sua ira.

- Quirrirri! Vão anotar os feitos do grande Pallas nesses livros? - Pallas joga para o alto a máscara de Yuuri, que escondia atrás de si. A máscara cai no chão e se quebra ao meio.

- Seu nome não vai existir em lugar nenhum - protesta Mei.

- Tem razão. Todos os Cavaleiros insignificantes serão assassinados... não vai sobrar ninguém pra contar história.

- Não confunda as coisas - a voz de Mei carrega o peso do destino que lhe foi imposto. - Esta é a Gigantomaquia... não faz sentido registrar esta batalha na História.

Nesse momento, surge do nada uma caixa com um traje sagrado, a armadura da constelação de Coma Berenices, que atende ao chamado do Cosmo de Mei. Até mesmo Shiryu, privado do sentido da visão, pode sentir o negrume da urna com a imagem em relevo de uma mulher de costas.

A tampa se abre e a urna se revela. Nela não há luz, mas sombras que parecem sugar qualquer luminosidade. Surge uma bela estátua de uma mulher de costas, com longos cabelos, prova de que o portador da caixa é um Guerreiro Sagrado, capaz de dominar as forças mais poderosas do planeta.

É a primeira vez que Mei traja por livre e espontânea vontade a armadura de sua constelação protetora. Cabeça, dorso, braços, quadril, joelhos: a figura feminina da estátua se divide em várias partes, moldando-se e fixando-se ao corpo do garoto. O traje protege o Cavaleiro eleito pela Constelação.

Está é uma armadura de tempos perdidos, que permaneceu selada por muito tempo. A primeira coisa que chama a atenção nela são os grandes escudos negros das ombreiras, que lembram as asas de um corvo. Graças a complexas conexões que permitem qualquer movimento, os escudos fundem-se aos dois protetores dos braços sem prejudicar a mobilidade do Cavaleiro.

O elmo lembra ao mesmo tempo protetores usados por lutadores de boxe e um ornamento feminino. As placas do peitoral, quadris e abdômen são leves e finas, e nas pernas a única proteção são as joelheiras. É uma armadura de curvas suaves, que preservam a imagem feminina que a originou, apesar de ser intensamente negra.

- Mei, sua armadura parece uma nebulosa escura, trazendo dentro de si a matéria que originará estrelas - comenta Shiryu. Ele sente a explosão do Cosmo no interior de Mei e a força do traje negro que acumula em si toda a luz: a origem da vida.

Uma lâmina corta o ar, soltando faíscas, invisível enquanto rompe a velocidade do som.

- Quirri...? - o Giga "parvo" está boquiaberto. Sente que algo passou por seu corpo, mas não consegue identificar o quê.

- Vocês não dizem que a luta entre os Gigas e os humanos não precisam de motivos? - provoca Mei. - Então não precisaremos de palavras.

Para a surpresa de Pallas, Mei permanece em pé, imóvel, com os dois braços relaxados, sem assumir nenhum posição de ataque ou defesa. O Giga decide atacar o garoto em sua aparente vulnerabilidade, tomando impulso no chão da biblioteca. As folhas do livro histórico destruído voam pelos ares, e a distância entre os dois combatentes diminui subitamente. Os braços estranhamente longos de Pallas dobram-se como galhos de um salgueiro, e suas garras poderosas avançam na direção da garganta do oponente. Mas o golpe mortífero corta apenas o ar.

- Quirri? - mais uma vez, Pallas está confuso. O monstro concentra sua força no punho e ergue as garras, mas algo cai inesperadamente, como se fosse uma bola mal arremessada. Era uma mão, com garras: a mão do Giga, que se recusa a acreditar em seu próprios olhos. - Meu braço... Meu braçoooooooooooooooo!!

Uma quantidade absurda de sangue jorra do pulso cortado. Pallas sente vertigens, intensamente perturbado pela visão.

- Você não percebeu, mas seu braço foi cortado faz tempo... - diz Mei.

- Q-Quando? C-como? - pergunta o Giga, saltando para trás. - Quirri? - Pallas sobressalta-se, endireitando a coluna. Passa a mão esquerda pela nuca, lentamente, percebendo agora que há sangue ali também. O monstro vasculha o espaço atrás de si com as garras da mão que lhe resta, ouvindo um som agudo, parecido com o de uma corda de um instrumento musical.

Só então percebe que está preso em uma jaula de fios finíssimos, mais finos que cordas de piano, esticados em todas as direções ao seu redor.

- São fios de oricalco - explica Mei.

- Quirri...? Como é que é? Todos esses fios fazem parte da sua armadura?

Surpreendentemente, a liga do antigo oricalco com gamanion e poeira estelar assume ali a espessura de um fio de cabelo, mas mantendo sua resistência.

- Cada um desses fios é uma lâmina afiada - continua Mei. - Não se mexa ou seu pescoço vai voar pelos ares sem que você perceba, assim como seu braço.

Com uma leve torção de pulso, Mei controla os fios cortantes, que lançam para longe a máscara de Adamas do Giga. Preso na jaula de oricalco, Pallas não pode sequer se defender.

- Diga o nome da minha estrela - ordena Mei, no mesmo instante em que os fios cortantes estalam. Várias luminárias da biblioteca vão se apagando, deixado aquela parte do recinto na mais completa escuridão.

- Vai aproveitar a escuridão e fugir? - pergunta o Giga.

- Fugir? - Mei solta um riso zombeteiro. - Esses fios são os meus olhos e os meus ouvidos. Eles são percorridos pelo meu Cosmo.

Apenas Pallas está perdido nas trevas. Assim como Mei, Shiryu não sente nenhuma dificuldade por causa da falta de luz.

- Gyah! - mais um grito de Pallas na escuridão, seguido pelo baque surdo de algo caindo no chão. - Aaaiiii!! Droooogaa! Minha outra mão!

- Diga o nome da minha constelação! - insiste Mei.

- Você é... o Cavaleiro... de Coma... - O Giga geme de dor.

- Mei, de Coma - declara-se o Cavaleiro de Atena.

A vibração dos fios de oricalco entoa uma canção: uma Vontade homicida, soturna e negra, envolvida por profunda tristeza.

- Este é o arranjo da morte, Giga. Lost Children - Crianças Perdidas.

- Quuiiiiiiiiiiii! - Pallas grita, desesperado, como se quisesse rasgar a garganta com sua voz.

- Que seja feito em pedaços. - Mei puxa todos os fios de uma vez.

Pallas se cala na escuridão, com a voz bloqueada pelo sangue que enche sua garganta. Mei se prepara para o golpe fatal, mas Shiryu segura sua mão.

- Por quê? - pergunta Mei.

- Se eu não o impedisse... você o teria matado. - diz Shiryu. - Mei, o que eu sinto vindo de você é um instinto assassino que não se satisfaria nem se cortasse o inimigo em vários pedaços.

- Yuuri... foi morta assim. Foi assim que esse cara a matou - justifica-se Mei.

- Não importa. Esse é um ato inaceitável para um Cavaleiro. A vingança não é a Vontade de Atena. Além disso, precisamos fazer algumas perguntas a esse Giga.

Pallas está agora sem os dois braços, separados por inteiro do resto do corpo. O Giga "parvo" se agitava como uma galinha, à espera do abate.

- Então, Giga, onde está o seu deus, Tífon? - pergunta Shiryu.

- Quirri. Quirrirri!

- Do que você está rindo?

- Quando o nosso senhor exercer o seu verdadeiro poder, nem mesmo Atena será páreo para ele, quanto menos os Cavaleiros. - Pallas fala com dificuldade, soltando bolhas de sangue pela boca. - Afinal, diante do verdadeiro poder dele, até mesmo Zeus, o maior dos deuses do Olimpo, fugiu!!

- Qual é o objetivo de Tífon? Sua verdadeira força? Se ele quer dominar a Terra, por que provoca erupções que podem destruí-la?

- Os pensamentos dele estão muito acima dos humanos... acima até mesmo de nós, Gigas.

- Por que os Gigas cultuam e seguem um deus desses? - continua Shiryu. - Um deus que domina pelo terror! Uma fé que não oferece paz de espírito!

- O terror é a fonte da nossa força - responde Pallas. - Os Cavaleiros, em sua insignificância, serão todos mortos. Nosso senhor tem filhos. Os Gigas Filhos de Deus estão entre nós. Velhos Gigas, como eu, já não são mais necessários... Louvor a vós, Tífon... - são as últimas palavras do monstro. Seu corpo sublima-se nesse momento junto com a armadura de Adamas, desaparecendo completamente de uma hora para outra.

- O que foi isso? - Shiryu engole em seco.

- Esse é o "temor" de Tífon - explica Mei. - Aquele que pronunciar o nome do deus que cultua terá sua língua arrancada e perderá a fala. Quem tiver seu nome chamado por seu deus verterá sangue pelos ouvidos e enlouquecerá. Essa é a crença dos Gigas.

- Vocês dois! Estão bem? - As luzes se acendem com a entrada de Nikol na biblioteca. - Yuuri! - O oficiante-mor fica horrorizado diante da tragédia. - E o Giga Pallas, "o parvo"... - sussurra.

- Pallas se suicidou pronunciando o nome de Tífon - diz Mei. - Era o último dos Gigas cujos selos eu rompi.

O garoto ainda está surpreso com suas habilidades de Cavaleiro. Sente que o traje está ensinando-o a manipulá-lo. Ele movimentava o corpo guiado pela Armadura. Em suas mãos, os fios cortantes são como parte de seu corpo.

- Tenho notícias de Tífon - a voz de Nikol interrompe os pensamentos de Mei.

- O senhor descobriu alguma coisa? - O garoto ergue o rosto na direção do oficiante-mor, que responde com uma voz pesarosa.

- Shun...


Sangue

Parte 1

Existe no Santuário um humilde cemitério. Ali repousam os Guerreiros de Atena, alguns famosos, outros menos conhecidos - muitos túmulos nem devem ter corpos sepultados. As lápides são simples pedras com o nome, a classe e, em alguns casos, a constelação dos Cavaleiros - algumas completamente cobertas de musgo.

- Mais uma companheira que perdemos... - balbucia Seiya, que recebeu a notícia da morte de Yuuri ao retornar de sua missão.

- Conseguimos salvá-la uma vez... - diz Hyoga, com o olhar perdido na direção do túmulo recém-construído.

Desde os tempos imemoriais das antigas lendas mitológicas, Cavaleiros tão numerosos quanto as estrelas do céu lutam pelo amor e pela Justiça na Terra, cumprindo o seu destino.

YUURI, Bronze, Sextante. Nada na inscrição indica que esse é o túmulo de uma mulher.

- A cada combate, eu só pedia uma coisa... - a voz de Nikol está carregada de tristeza - que eu não precisasse pronunciar uma prece de despedida. O oficiante-mor conclui o ritual.

- É só isso? - Mei aperta os lábios diante da lápide de Yuuri. Sente que a homenagem foi curta demais para a saudade que sente.

- O que você queria? Um enterro colossal como o dos imperadores da Antiguidade? - o tom de Nikol carrega algum sarcasmo. - Deveríamos por acaso fazer uma festa para celebrar a sua passagem e chorar durante sete dias e sete noites? - continua. - Não precisamos de ostentações. Nem mesmo precisamos de túmulos. A paz na Terra é a maior prova de que cada um dos Cavaleiros esteve aqui. Mesmo que um dia as pessoas se esqueçam de nós, as estrelas jamais nos esquecerão.

As palavras de Nikol reverberam no espírito de Mei e no destino traçado por sua armadura negra. Ele é um guerreiro da Gigantomaquia.


Parte 2

Na Sala do Grande Mestre, Nikol mostra a Seiya o pedaço da corrente triangular da armadura de Andrômeda. A primeira reação do garoo é se oferecer prontamente para resgatá-lo.

- Shun foi a Anatólia. Estou certo, oficiante-mor? - Hyoga de Cisne também está preocupado com seu companheiro e irmão.

- Foi ao Monte Arima - responde o oficiante-mor.

- A corrente triangular é a corrente de ataque - comenta Shiryu, sentindo o artefato com as mãos. - Shun sacrificou a própria arma, renunciando à luta para nos alertar do perigo.

- Que inimigo intimidaria um Cavaleiro como Shun? - Alguém pergunta.

- Só podem ser os Gigas!! - grita Seiya, impaciente. - Yuuri foi assassinado por um Giga que invadiu o Santuário.

- Acalme-se, Seiya - Atena, que até agora estava sentada em seu trono, fala pela primeira vez, fazendo com que todos os presentes fiquem em silêncio para ouvir a Vontade Divina à qual dedicam a vida. - A vida ou a morte de Shun depende do destino de sua estrela. Mas vamos fazer o melhor que pudermos por ele.

Para surpresa de Seiya, Hyoga e Shiryu, nesse momento um novo grupo de Cavaleiros entra na Sala do Grande Mestre.

- Chegaram. - confirma Nikol, virando-se em direção à porta.

Os recém-chegados se apresentam:

- Nachi de Lobo.

- Ban de Leão Menor.

- Ichi de Hidra.

- Geki de Urso, ao seu dispor.

- Jabu de Unicórnio. Atendendo à ordem Divina, comparecemos ao Santuário.

Com isso esses Cavaleiros de Bronze ajoelham-se diante de Atena.

- Obrigada por terem vindo de tão longe - responde a deusa.

- Viemos para reforçar as defesas do Santuário... - Jabu traja a armadura de Unicórnio, com um chifre solitário no elmo. É parecido com Seiya, e os dois têm quase a mesma idade. A principal diferença é sua pele, mais morena, provavelmente por ter vindo da Argélia, onde cumpria sua missão de Cavaleiro.

- Jabu, Nachi, Ban, Geki e Ichi - diz o oficiante-mor no tom mais "oficial" possível. - Sua missão já foi comunicada: devem formar um círculo protetor ao redor do Santuário e defender Atena.

- Sim, senhor - responde Jabu. - Também gostaria de rever o Mei, agora que sabemos que ele está vivo.

- Mei? - chama Seiya, olhando ao redor.

- Alguém viu o Mei? - pergunta Nikol, com ar preocupado.

- Ele estava com a gente no enterro...

- Chegueeeeeeeei!!

Seiya é interrompido pela voz aguda de um garotinho, mais jovem que os outros, que entra na Sala do Grande Mestre. É Kiki.

- Missão cumprida, senhor Nikol! - diz o menino, fazendo uma reverência sapeca.

- Missão...? - A expressão do oficiante-mor é de pura surpresa.

- Como assim? O senhor não me mandou teletransportar o Mei para o vulcão Arima?

- Eu não dei essa ordem - responde Nikol.

- Não? Sério? Foi o que me disse o Mei, por isso eu... - Kiki está confuso.

- Quer dizer que o Mei foi salvar o Shun sozinho? - grita Shiryu.

- Creio que ele está se sentindo culpado pelo que aconteceu a Yuuri e Shun, além do retorno de Tífon... - Nikol se recrimina duramente por não ter sido capaz de perceber que Mei se responsabilizava pelos acontecimentos.

- Kiki! Leva a gente pro vulcão Arima!

- T-tá legal!

- Espere, Seiya - interrompe Nikol.

Altiva, Atena se aproxima de seus Cavaleiros placidamente, segurando o cetro que representa Nike, a deusa da vitória. Seu longo vestido está esvoaçando suavemente.

- Nikol tem a obrigação de estudar e analisar os fatos um pouco mais do que você - diz a deusa. - Se Tífon estiver no monte Arima, isso significa que provavelmente já existe ali uma redoma protetora.

- O Flegra de chamas terrenas! - Seiya se lembra do campo de força de Tífon, que suga o Cosmo, e que tanto os prejudicara no Etna.

- Nikol - Atena desvia os olhos acinzentados para o Grande Mestre em exercício.

Compreendendo a Vontade de Atena, o Cavaleiro de Altar parte em busca de uma pequena caixa, a qual oferece à deusa. Dentro dela há um espadim brilhante como uma jóia. Atena olha com ternura para Seiya, Hyoga e Shiryu.

- Venham até aqui.

- Os três Guerreiros Sagrados atendem ao chamado de Atena.

- Que o sangue proteja os meus Cavaleiros. - A deusa aproxima a lâmina do pulso. É tão afiada que basta um leve toque para fazer um corte. Sem hesitar, Atena a faz correr pelo seu braço. O nobre sangue divino desenho um fio vermelho sobre a pele clara.

As três armaduras de bronze - de Pégaso, Cisne e Dragão - recebem gotas do sangue de Atena, e assim obtêm a proteção da sua soberana Vontade.

Após oferecer a proteção o seu sangue também à armadura de Altar, Atena devolve o espadim a Nikol. O cavaleiro recebe respeitosamente a arma, limpa a lâmina com um tecido branco e a coloca novamente na caixa.

- Enquanto estiverem nestas armaduras consagradas com o sangue de Atena, vocês não sofrerão com a redoma protetora das chamas terrenas de Tífon - explica o oficiante-mor.

- Então, agora podemos ir!

- Seiya... Hyoga, Shiryu. Acompanhem-se até o vulcão Arima.

- Kiki, perdoe-me por abusar de você, mas peço mais uma vez. Agora cada momento é importante - hora para mais um teletransporte.

- Eu lhe confio Shun, Mei, e todos aqui - Atena diz serenamente a Nikol, enquanto Tatsumi procura estancar, apavorado, a hemorragia do pulso da deusa.

- É claro, Atena. Sem Mei, será dificílimo selar Tífon. - Antes de deixar a sala, Nikol faz uma última reverência.

- O que você quer dizer com "sem Mei"? - pergunta Seiya.

- Estamos falando do destino da constelação de Mei. Vou lhe contar mais tarde. Agora não é o momento - completa Nikol.


Parte 3

Ao acordar de um pesadelo no qual se arrastava pelo chão como uma taturana, Shun está tomado por calafrios que o entorpecem até a ponta dos dedos.

- Essa sensação... - É como se o Cosmo vazasse por sua alma. - O campo do Fle...

- Cavaleiro de Andrômeda - a voz áspera de Tífon interrompe os pensamentos de Shun. - Está sentindo o temor?

Olhando fixamente para o garoto, ali está o deus assimétrico de chamas e relâmpagos, o último dos Gigas, com sua armadura brilhante e escura de Adamas. Shun é seu prisioneiro.

- Por que tenho a impressão de que já conheço você - pergunta o deus monstruoso. - Sinto que já lutei com você. Ah, é claro! São as memórias do meu querido irmão Toas.

Será que as lembranças de Toas, o "relâmpago célere", se transferiram para Tífon quando ele o devorou em sacrifício? Shun tem dificuldade para encarar o deus dos Gigas: as chamas e relâmpagos que emanam de Tífon parecem queimar suas retinas. E ele esta cada vez mais poderoso. Shun não sabe, mas Tífon acabou de devorar Pallas, "o parvo", aumentando ainda mais seu poder.

- Vejo que não é apenas um ser humano, Andrômeda - diz a criatura. - Você é o receptáculo de um dos deuses do Olimpo. Não me esqueço do sabor do seu sangue e do cosmo que sorvi, embora pouco, no monte Etna. Não poderia desejar sacrifício melhor!

Tífon se curva para a frente e toca o rosto de Shun. Um choque elétrico atinge os centros nervosos do corpo do Cavaleiro, que se contrai involuntariamente num espasmo violento.

- Vou devorá-lo! - Tífon lambe os lábios com sua língua preta.

- Sou um Cavaleiro de Atena - responde Shun. - Jamais me renderei ao seu temor.

- Não há como escapar do temor - diz Tífon, virando-se. - Gostaria de devorar você agora, mas tenho que esperar.

O deus dos Gigas sai do campo de visão de Shun, revelando o altar. Sobre ele, envolvida pelo fino "Casulo do Tempo", repousa a imagem de uma mulher grávida, metade humana, metade serpente. "O Calabouço do Tempo Estagnado."

- Andrômeda, vou devorá-lo na ocasião do nascimento do meu novo e verdadeiro corpo carnal.

- Aquela mulher está viva?

- Equidna. A última das mulheres Gigas - revela Tífon. - Um monstro mitológico, desenho pelo temor dos frágeis humanos. É a minha forma feminina. Arranquei suas pernas para que não fugisse.

De fato, Shun percebe que a metade inferior de Equidna, a parte da serpente, está presa ao pedestal por vários e grossos pregos.

Nesse momento surgem três figuras não identificadas.

- Pai - dizem as sombras.

- Meus filhos... O que são esses Cosmos pequeninos que me irritam com sua implicância?

- Aparentemente, os Cavaleiros de Atena voltaram a invadir estas terras - responde a sombra de Ladon, "o dragão de cem cabeças".

- São como insetos no verão. Matem-nos! - ordena o deus dos Gigas. - Mais que isso, devorem cada um deles.

- Sim, pai. - Respondendo com obediência absoluta, os filhos de Tífon deixam novamente o templo subterrâneo.

"Será que são Seiya e os outros?", pensa Shun. "Então a corrente de Andrômeda chegou a Atena."

- O "Tempo Estagnado" em breve se romperá - repete Tífon, lançando um olhar maligno na direção da mulher no altar. E, então, voltando-se para Shun: - Vou devorar você, Cavaleiro.


Parte 4

Em pé sobre uma rocha que lembra um chapéu pontiagudo, Seiya examina a paisagem ao seu redor. Está em uma das muitas florestas de pedras do vale da Anatólia, uma região desolada, distante da civilização. O Cavaleiro não vê nenhum tipo de luz, nenhum sinal de habitação. À sua volta estão Hyoga, Shiryu, Nikol e Kiki, que os teletransportou do Santuário até ali.

- Oficiante-mor, qual a relação desta terra com Tífon? - pergunta Shiryu.

- Um poema épico grego conta uma história chamada "A Morada de Typhoeus".

- Typhoeus? Seria sobre Tífon?

- Na verdade, é sobre a esposa de Tífon. Já ouviram o nome Equidna? - pergunta Nikol ao Cavaleiros de Bronze.

- Mãe de monstros - responde Hyoga.

- Sim, muitos monstros da mitologia grega são considerados filhos de Tífon com Equidna: o leão de Neméia, a serpente venenosa Hidra, Cérbero, o cão do inferno, o abutre que devorou as vísceras de Prometeu acorrentado...

- Espera aí! Esses monstros não são constelações? - indaga Seiya.

- São, sim - explica Nikol. - Essa lenda é uma das muitas histórias envolvendo figuras que deram nomes a constelações. Esses monstros são frutos do medo... do "temor" das pessoas. Talvez os humanos tenham tentando apaziguar essas criaturas aterrorizantes elevando-as aos céus. Além disso, creio que o destino das estrelas não existe somente para os humanos, mas também para os Gigas.

- O senhor acha então que os Gigas também têm suas constelações e vêem as estrelas?

- Exatamente, Shiryu. - Nikol ergue os olhos para o céu noturno. - O firmamento é o recipiente deste universo, no qual todos os Cosmos e todas as Vontades Divinas se mesclam.

Nesse momentos os quatro Cavaleiros verificam seus trajes sagrados. Admiram o brilho das estrelas que honravam. Estão sob a proteção do sangue de Atena. Contemplam o seu destino.

- Vamos salvar o Shun.

- E o Mei.

- E vamos vencer, por Atena.

Nikol vê os três garotos colocarem as mãos umas sobre as outras, selando o compromisso de cumprir a missão.

- Mas... e eu?

- Você fica esperando aqui, Kiki. Quando sentir que está em perigo, fuja logo. Sua força é necessária para Atena.

- É mesmo? Hummm, acho que é sim... Sem mim, as coisas não acontecem, certo? - Feliz com o elogio de Nikol, Kiki procura um lugar para se sentar e esperar pelos companheiros, que saem imediatamente em disparada pela floresta de pedras.

Os quatro correm mantendo uma distância fixa entre si.

O que eles devem fazer não é protagonizar uma história de heroísmo e bravura para ser contada por milênios. Tudo o que farão é pelo Amor e pela Justiça na Terra. Por seus companheiros e por Atena.

- Ainda não sinto a redoma de Flegra - grita Seiya para os outros. A floresta de pedra não está sob a maldição de Tífon, portanto, ao encontrarem o campo de força, terão encontrado também o deus dos Gigas.

De repente ouvem um ruído, uma espécie de grunhido ensurdecedor. Os quatro Cavaleiros param e assuem posição de combate. O solo se abre.


Parte 5

A floresta de pedra grita. O vento que percorre as rochas faz o ar vibrar e ameaça os invasores como uma harpa estridente. O chão cede. A superfície desmorona como uma concha vazia, e os cavaleiros são tragados para o centro da Terra, perdendo-se uns dos outros em meio às sombras das rochas e à poeira que cai.

A cratera é grande o bastante para abrigar vários anfiteatros, e vai ficando cada vez mais profunda, até que eles finalmente atingem o fundo. Com isso a Terra fica silenciosa novamente.

- Uff - Hyoga tosse, empurrando uma rocha gigantesca. - Onde estou? - O Cavaleiro percebe que perdeu o contato com o Cosmo de Shiryu, Seiya e os outros.

O ar está saturado de poeira. É impossível manter os olhos abertos. De qualquer forma, Hyoga está muito abaixo da superfície: mesmo que pudesse abrir os olhos, a escuridão é absoluta.

Enquanto caía, Hyoga pulou instintivamente para um buraco lateral da cratera. Se tivesse caído até o fim teria sido soterrado pelo volume colossal de rochas.

- Outra armadilha dos Gigas? - pergunta-se o garoto, agora separado dos outros Cavaleiros.

Uma ventania assustadora percorre os espaços vazios da Terra. Hyoga sente como se uma centena de serpentes lambessem todo o seu corpo.

- Ora... conseguiu sobreviver ao desmoronamento?

Hyoga vira-se na direção da voz e, para sua surpresa, consegue abrir os olhos. A poeira, antes tão densa, sumiu completamente.

Está numa caverna com luzes vacilantes entre o vermelho e o marrom, que lembra muito o templo subterrâneo do monte Etna. Hyoga está surpreso pelas existência de um espaço tão amplo sob o vulcão Arima.

- Essa armadura... não é um traje qualquer - continuou a voz, grave como a de uma fera rosnando.

- Ah, você percebeu? - Hyoga já consegue visualizar a figura do inimigo: é um dos Gigas.

- Dentro da redoma de Flegra, armada no interior deste templo subterrâneo, sua armadura repeliu o "temor".

- Tífon está aqui?

- Deve ser a proteção do sangue de Atena.

- Hyoga, da constelação do Csine.

- Ortos, "cão bicéfalo do mal".

Seu Adamas tem o brilho de uma safira-estrela da cor das trevas, uma pedra nobre e rara que traz em suas profundezas de um azul intenso os raios cintilantes das estrelas.

Hyoga reconhece o nome do monstro da Antigüidade. A figura à sua frente parece ser feita de rocha maciça. Embora tenha a mesma altura dos outros Gigas, seu torso e abdômen são de proporções colossais, transmitindo uma densidade comparável à do urso polar, um mamífero de meia tonelada que é o maior animal carnívoro do planeta.

O Giga usa uma coleira de espinhos e uma armadura de Adamas de formato incomum, lembrando um corajoso e enrugado cão Mastiff.

- Você é filho de Tífon e Equidna. O Giga que invadiu o Santuário declarou que havia novos Gigas, filhos de deus...

- Eu sou um deles.

Seu rosto estava inteiramente coberto por um elmo. As ombreiras têm imagens que representam o próprio cão bicéfalo maligno, com seus dentes à mostra como se estivesse sempre preparado para morder os inimigos. Parece ter três cabeças, incluindo o elmo.

- Então você é o meu inimigo.

Um cristal de neve dançou em suspensão, congelando o ar. Os sons finos das crepitações dedilhadas pelo frio na atmosfera são o silencioso prelúdio do guerreiro, o elevar do Cosmo de Hyoga.

- Vou devorar você.

- Que mau gosto - responde Hyoga, sentindo um terrível mal-estar.


Parte 6

Depois de ter sido praticamente sepultado vivo, Seiya abre caminho destroçando as rochas que caíram sobre ele, erguendo-se da terra como um morto ressuscitado. O menino esfrega os olhos e cospe energicamente o barro que se acumulou dentro da boca.

- Credo! Não teria graça nenhuma morrer num lugar como este - diz para si mesmo, talvez para aliviar a tensão.

Acima dele a saída está parcialmente soterrada. Seiya não consegue enxergar o fundo. No local há uma luminosidade turva, preenchendo o ar no interior da caverna e revelando os contornos da rocha.

- Igualzinho ao Monte Etna! Então aqui também é...

- Terra Sagrada do meu pai.

Seiya dá uma ágil meia-volta e assume posição de combate, fechando a guarda com os braços.

- Quem é você, que aparece assim de repente? Quase me mata do coração - provoca Seiya, reconhecendo no inimigo a figura de um Giga. - Então aquela rachadura na terra foi uma armadilha de vocês!

- Não era nossa intenção que o combate se resolvesse assim - diz o monstro. - Se morressem apenas por causa daquilo, não poderíamos vingar o ódio acumulado ao longo do tempo pelos Gigas. Quero saber o seu nome.

- Para quê? Para escrever em um livro de História? - ironiza o garoto.

- Os Gigas não precisam registrar a História. A existência do meu pai é a prova de que os Gigas sobreviveram. - Com isso o inimigo surge das sombras por inteiro, e sua figura monumental domina a caverna preenchida com a Vontade de Tífon.

Seiya prende a respiração diante do que vê. O Giga tem asas formadas por membranas esticadas sobre ossos, como as dos morcegos. A espada na mão esquerda é uma serpente venenosa. O escudo na mão direita é uma cabra, cujos chifres evocam as antigas representações do diabo. Esses aparatos fazem com que a figura pareça um fantasma desgarrado de uma cavalaria medieval.

O brilho do Adamas que cobre todo o seu corpo é de rubi-estrela, mas da cor das trevas - uma outra pedra preciosa, raríssima, de um vermelho tão intenso que chega a ser cruel, resguardando em seu interior as labaredas de estrelas enlouquecidas. No rosto, uma máscara que imita a cara de um leão.

- Você disse pai? Está falando de Tífon? - pergunta Seiya.

- Estou perguntando seu nome por uma única razão. - O Giga muda de assunto, completamente preparado para o combate. - Tenho que saber o nome da carne que vou comer.

Seiya se irrita com a forma que o monstro lhe encara. Chutando o chão, toma impulso para se lançar na direção do oponente.

- Cometa de Pégaso! - grita, cercando-se de uma aura branco-azulada.

Um brilho intenso. Seus punhos dirigem-se ao inimigo a uma velocidade muito maior que a do som. O ataque mortal rompe a redoma de chamas terrenas, e por isso pode ser lançado com sua energia de sempre.

Mas um inesperado contra-ataque arremessa Seiya no chão: o violento golpe aplicado pelo escudo cravejado do Giga faz com que o garoto caia a uma distância de dezenas de metros, formando uma coluna de água. Um lago subterrâneo.

O "cavaleiro andante" dos Gigas sobe pelos rochedos para além de onde Seiya foi arremessado. Embora desajeitado, seu andar não é, de forma nenhuma, lento.

- Eu estava mesmo querendo lavar os pés. Aliás, faz uns três dias que não tomo banho. - Seiya encara o inimigo de dentro do lago, com água até a cintura. Apesar de machucado, o garoto sorri com um ar tranqüilo, como se não tivesse sofrido nenhum dano. - Está um pouco gelada, mas acho que agora acordei de vez.

- Ora, seu...

- Para agradecer, vou dizer o que você queria saber. Eu sou Seiya! Seiya de Pégaso!

- Quimera, "a fera pluriforme" - apresenta-se o Giga. Seu corpanzil tem mais de dois metros de altura e sua armadura parece ser a própria carapaça do gigante.

Na fase de treinamento para ser um Guerreiro Sagrado, Seiya tinha aprendido sobre fábulas de monstros. O garoto busca agora na memória alguma referência que sua mestre, Marin, a Amazona de Prata da Constelação da Águia, possa ter feito sobre Quimera.

A metade superior do Giga tem a forma de um leão, e a inferior é o corpo de uma cabra. Na cauda, uma serpente. É um ser estranho, fantástico, assombroso.

- Você é filho de Tífon.

- Vou devorar você.

O cavalo alado e a criatura fantástica que reúne múltiplos animais colidem em combate.


Parte 7

Nikol de Altar também escapou do desmoronamento, abrigando-se numa caverna sob o vulcão Arima.

- Oficiante-mor... - chama Shiryu, o Cavaleiro de Dragão. - Onde estão Seiya e Hyoga?

- Não sei. Aparentemente, caíram muito abaixo de onde estamos - responde Nikol.

- Estamos no fundo de um fosso? - pergunta o Cavaleiro cego.

- Numa caverna. Pelo que vejo, há marcas artificiais nas paredes. Talvez seja um templo subterrâneo dos Gigas. Também parece que há uma redoma de Flegra. Estou preocupado com Shun e Mei...

- Senhor, pelo que o Kiki nos disse, não deve fazer mais de uma hora que ele trouxe o Mei ao vulcão Arima.

- Espero que ele esteja bem.

- Se este for o templo de Tífon, devemos ir para baixo. Lá encontraremos o Seiya e o Hyoga - sugere Shiryu. - Consigo sentir o Cosmo deles, embora apenas minimamente.

- Não me diga! Eu não consigo. Devem ser os laços de sangue, vocês são irmãos. - Nikol sorri.

Nesse momento um baque pesado faz com que os subterrâneos do monte Arima vibrem novamente.

- Outro desmoronamento? - Nikol olha para o alto.

- Não... isto é... - sem tempo de explicar, Shiryu sai correndo na direção de um Cosmo que sugeria uma estrela moribunda. - Por aqui, senhor!

Nos corredores por onde segurem, a luminosidade está bem mais reduzida. Shiryu, embora seja cego, avança como se guiasse Nikol pela penumbra. Chegam a mais uma abertura, mais iluminada. Diante dos dois está...

- Mei!

... a figura do Cavaleiro vestido com o traje negro, ferido e caído. Deitado de bruços, parece erguer um pouco o rosto, gemendo.

- Você está bem?

Sem fazer nenhuma menção de se proteger, Nikol corre em sua direção.

- Pare! Não venha! - grita Mei com a voz debilitada, quase inaudível.

Nesse instante faz-se a mais completa escuridão.

Metsu!

Um ataque vindo das trevas atravessa o peitoral do Traje Sagrado de prata como se fosse feito de papel. Um som surdo. A proteção da estrela de Nikol parece estar se esgotando.

- Oficiante-mor!

Algo o atravessa pelas costas. Não há nada que Shryu e Mei possam fazer. Não há como voltar no tempo. O fim de uma vida não pode ser adiado. O sangue inunda os pulmões de Nikol após seu peito ser rompido.

Mei se aproxima de Nikol, arrastando-se. O Cavaleiro da constelação de Altar cai de bruços, sem nada fazer para amortecer sua queda.

- Mei... você está bem? - pergunta o enfraquecido Nikol, preocupando-se com os outros mesmo em seu último momento.

- Por que não armou a guarda? Uma pessoa como o senhor...? - Mei, com os cabelos prateados tingidos de sangue, fica arrasado ao perceber que a morte de Nikol é inevitável. - Isso foi um vacilo!

- Tem razão... estou constrangido - admite o oficiante-mor. - Perdi o controle quando o vi caído. Só tinha em mente que você é necessário, Mei. Você estava a ponto de trair a confiança de Atena... Eu disse que havia um segredo oculto dentro do Santuário... a história da antiga Gigantomaquia... sem você... sem a armadura de Coma Berenices, seria dificílimo selar Tífon...

- Poupe suas energias... não fale mais nada...

- Sele Tífon - Nikol gasta toda a força que lhe resta. - Sua armadura o guiará... será a voz das estrelas... e só você poderá ouvi-la...

- Sim...

- A única coisa que lamento... como Grande Mestre Substituto... - o olhar de Nikol vai perdendo a força - é não saber qual é o destino confiado a você e a seu traje. Isso não está na História Oficial. Não está em nenhum livro histórico. Nem Atena reencarnada sabe... o sangue de Atena consagrado no seu traje negro... naquele passado distante... irá lhe contar quando chegar a hora.

- A proteção do sangue de Atena... - repete Mei.

- Poderá ser um destino terrível para você... Mesmo assim, sou obrigado a dar a ordem. Mei... Vejo agora que o destino da minha estrela foi dizer isto para você: sele Tífon. - São as últimas palavras de Nikol.

NIKOL, Prata, Altar. Talvez seu túmulo não tenha restos mortais.

- Oficiante-mor!

- Shiryu - adverte Mei - Tome cuidado... O inimigo...

Shiryu corre em direção a Mei, vasculhando o interior da caverna. Seus movimento são interrompidos por um Cosmo avassalador.

- Apareceu mais um inseto barulhento! - A presença domina toda a caverna escura.

- Você me usou como isca! - grita Mei. - É tudo culpa minha! - Arrependido, Mei morde o lábio inferior com tanta força que o sangue escorre pelo seu queixo.

- Meu pai ordenou que devorássemos todos vocês, Cavaleiros - diz a voz que comanda os Gigas filhos de deus.

- Quem é você? - Shiryu não o vê, mas pode medir o temível Giga que está diante dele pela escala absurda do seu Cosmo. Se pudesse enxergá-lo, certamente estaria ainda mais apavorado.

- Ladon, "o dragão de cem cabeças" - declara a voz.

Mei se levanta cambaleante. Seus ferimentos são profundos e sangrentos: tem os músculos da perna retalhados, como se a carne tivesse sido rasgada a dentadas.

- Ladon... Esse é o nome de um dos filhos de Tífon e Equidna na mitologia. O dragão maligno! - grita Shiryu.

- É o Giga filho de deus de que falava Pallas... - completa Mei.

- Aqui estou - proclama Ladon. O brilho do seu Adamas era o da opala negra, mais uma gema rara, e irradiava nebulosas estelares com todas as cores do arco-íris no firmamento de denso ébano.

- Fuja, Mei - ordena Shiryu. - O Seiya e o Hyoga devem estar abaixo desta caverna. Você sente o Cosmo deles, não é?

- Acha que vou abandonar você?

- O oficiante-mor me contou... Sem você e o seu traje, será impossível selar Tífon.

- Mas...

- Não repita o erro. - Shiryu não tem escolha a não ser esbofetear o relutante Mei. - Para que somos companheiros? Para que somos irmãos? Você não esta lutando sozinho.

- Por essa eu não esperava. Levar um tapa de um irmão mais novo...

- Mei... tem uma coisa que eu preciso contar para você - confessa Shiryu. - Na batalha das Doze Casas eu lutei com o seu Mestre, o Cavaleiro de Ouro de Câncer... e o derrotei com estes punhos.

- Eu sei - responde Mei. - Soube de tudo através do oficiante-mor... de Nikol. Ele me contou antes de eu me reencontrar com você na Casa da Constelação de Câncer.

- Você sabia!

- Aquele homem - Mei abre o coração para o irmão -, mesmo que tenha sido um Cavaleiro maligno que se revoltou contra Atena, continua a ser o meu mestre. Ao mesmo tempo, eu e você temos o mesmo sangue. Nunca vou comparar as duas coisas.

- Mei... obrigado. Esta conversa me livra de um peso enorme no coração. - Shiryu sorri, um sorriso de alívio.

Diante da atitude honesta do irmão, Mei também se sente redimido, salvo.

Antes que possam se despedir, Ladon, "o dragão de cem cabeças", coloca-se diante da dupla.

- Acha que deixarei que ele vá embora? - pergunta o monstro, referindo-se a Mei.

- Eu, Shiryu de Dragão, vou provar que sim.

- Dragão...? - pela primeira vez, o Giga de máscara metálica revela algo que pode lembrar um sentimento.

- Eleve-se, Cosmo! Tome isto! O maior ataque deste Cavaleiro...

O Dragão Celeste, resplandecendo num brilho branco-azulado, abriga-se no punho direito de Shiryu.

- Cólera do Dragão!


Cronos

Parte 1

No lago subterrâneo sob o vulcão Arima, Seiya de Pégaso e Quimera, "a fera pluriforme", encaram-se, frente a frente.

- Você é filho de Tífon!

- Vou devorar você! - proclama o "cavaleiro andante" dos Gigas, equipado com a espada da serpente venenosa, o escudo do leão e o Adamas de rubi-estrela da cor das trevas.

- Vocês, Gigas, são muito vulgares, sabia? - Seiya, por sua vez, está completamente desarmado. Os Guerreiros de Atena Lutam somente com o corpo, mas isso não significa que não saibam usar armas. Precisam saber, uma vez que seus inimigos não seguem nenhuma proibição nesse sentido. Assim, além do aprimoramento do corpo, o treinamento dos Cavaleiros inclui combate contra oponentes armados.

As articulações da pesada armadura de Adamas do Giga estalam com seus gestos. Para Seiya, dotado da agilidade de um cavalo que percorre os céus, a movimentação do monstro é desajeitada como a de um fantoche mal conduzido.

- Sua armadura parece pesada - provoca o garoto. - Acha que um lerdo como você seria capaz de pegar o Pégaso?

Nesse instante, Quimera lança um ataque cortante na direção de Seiya, um golpe pesado e rude, mas surpreendentemente rápido, como uma rajada de vento. O Cavaleiro sente calafrios na espinha ao desviar-se por um triz da trajetória da lâmina, recuando até uma rocha plantada no meio do lago subterrâneo. Agitando a enorme espada em movimentos circulares apenas com a mão direita, o Giga se aproxima de Seiya.

- O que será essa espada? - perguntas-e Seiya.

A espada da serpente na mão da "fera pluriforme" tem o fio dentado como o de um serrote.

- Receba a ardente lâmina assassina - anuncia Quimera, enquanto a serpente venenosa traça um arco flamejante, emanando um calor infernal. - Rompantes de Lâmina!

Atingido pelo golpe incendiário, Seiya é atirado novamente no lago subterrâneo, onde um rastro de vapor d'água marca a trajetória da espada de Quimera. O Cavaleiro se ergue, depois de engolir um bocado de água. Apesar de amplo, o lago é bem raso: mesmo nas áreas mais profundas, a água mal chega à cintura de Seiya.

- Eu não acredito... a armadura! - grita o Cavaleiro, perplexo.

A parte mais poderosa do Traje Sagrado, o peitoral, apresenta marcas profundas da lâmina dentada, descendo a partir do ombro esquerdo. Se Seiya estivesse um passo à frente, seu coração teria sido atingido pelas chamas.

Quimera caminha para dentro do lago, lançando outro golpe da enorme lâmina contra Seiya, fazendo seu Adamas ranger e gerando mais uma imensa coluna de água. O Cavaleiro não tem opção a não ser recuar o máximo possível diante da impetuosidade das explosões.

- "O momento em que ele inicia o ataque é estranho", pensa Seiya. - "É impossível calcular o revide!"

De fato, parece haver uma estranha variação dentro de cada ataque de Quimera: o movimento do seu braço, o passo que dá para o impulso, a velocidade da espada e sua trajetória não parecem pertencer ao mesmo ataque, ora tardio, ora precipitado. Tudo isso confunde Seiya.

"É como... se não fossem movimentos humanos!", conclui o garoto, antes de contra-atacar:

- Meteoro de Pégaso!

Mas seu esforço é inútil. Centenas de meteoros que superam a velocidade do som são novamente repelidos, sem nenhuma exceção, pelo escudo de cabra.

- Onde você está mirando? Acha tanta graça em jogar água para o alto? - ironiza o Giga, em meio aos jatos de água resultantes do impacto do golpe no lago. Seiya se aproveita da cortina de água que bloqueia a visão de Quimera e se posiciona atrás do monstro.

- Segura essa: Turbilhão de Pégasooo! - Seiya dá um salto rápido, apoiando-se no corpanzil do Giga, mas o contato faz com que grite de dor: suas mãos, seus braços e seu peito parecem ter tocado em brasa. Os dedos ardem dolorosamente: estão queimados. Ao mesmo tempo, a água ao redor de Quimera começa a evaporar.

- Esta armadura ardente traz consigo a chama das estrelas - explica o Giga, com um sorriso maligno.

- Então é esse o poder do Giga filho de deus... - Seiya está pálido de surpresa e medo, a reação natural do seu instinto de guerreiro. O monstro era como uma fonte de calor intenso, que aos poucos vai aquecendo todo o lago, apesar do gigantesco volume de água. O Cosmo da fera que combina várias outras em si parece ilimitado.

- Vou devorar você! - Com isso a espada de Quimera brilha em chamas luminosas. - Rompantes da Lâmina!

O ataque acerta o Cavaleiro apenas de raspão, cortando a água do lago subterrâneo, que evapora completamente. Todo o ambiente fica coberto por um calor úmido, como o de uma sauna.

- Você não sabe reconhecer o momento certo de morrer - diz Quimera.

- A ponta da lâmina só relou em mim... mas parece que queimou todos os nervos... - Seiya está se contorcendo de dor. Foi atingido nas pernas pela espada. Seu formato de serrote é ainda mais terrível do que o corte de uma lâmina afiada: a carne, em frangalhos, não pode ser suturada e a hemorragia custa a estancar.

Coberto pelo vapor esbranquiçado da água, Quimera fita Seiya com desprezo. Tem olhos de leão, o escudo à imagem de uma cabra demoníaca na mão esquerda e a espada que parece uma serpente venenosa na direita.

- Terminamos por aqui, Pégaso... Sem as pernas de que tanto se orgulha, você não poderá se esquivar do próximo ataque. E, ao que parece, existem outros Cavaleiros neste Templo, não posso perder mais tempo com você - declara o Giga. - Aceite ser devorado em silêncio. Vou comer o seu Cosmo.

- Nós, os Cavaleiros de Atena, vamos derrotar Tífon e proteger a paz na Terra - insiste Seiya, em meio a gemidos de dor. - Eu sempre superei os meus inimigos com estas asas de Pégaso!

Seiya se levanta usando toda a sua força, inflamando ao máximo seu Cosmo. Seu estilo de combate é um dos mais ortodoxos entre os Guerreiros Sagrados. Compõe-se basicamente de socos, chutes e eventuais nagues - as técnicas de projeção. É importante lembrar que as técnicas de luta dos Cavaleiros não têm relação direta com a força física. Elas se definem com base no Cosmo: é por isso que a compleição física de Seiya, pequena para um guerreiro, não representa nenhuma desvantagem diante dos poderosos e altivos Gigas.

Além disso, a armadura da constelação de Pégaso é uma proteção fenomenal, que acompanha até o limite a movimentação agilíssima de Seiya. Apesar de envolver o Cavaleiro como uma rocha, ela não impõe a menor restrição aos seus movimentos.

- Queime, meu cosmo! Queime enquanto eu tiver alma! - provoca Seiya.

- No próximo golpe, então, devorarei sua alma - responde o Giga.

- Agora é o momento de voar, Pégaso!

- Rompantes de Lâmina! - A reação de Quimera é rápida mais uma vez, a serpente flamejante mostra suas presas desalinhadas. Seiya escapa do golpe com um salto.

- Eu não vou perder! - grita o garoto.

O cavalo celeste relincha, envolvendo-se numa aura azulada. É o som do Cosmo de Seiya sendo elevado ao máximo.

- Cometa de Pégaso! - O ataque do Cometa, um feixe de centenas de meteoros, faz tremer o lago subterrâneo. O rubi-estrela perde seu brilho escuro, tornando-se uma pedra opaca, sem o fulgor das estrelas. Estraçalham-se o escudo da cabra, a máscara do leão, o Adamas nobre. Quimera, "a fera pluriforme" cai com um estrondo sobre o lago subterrâneo.

Tendo exaurido todas as suas forças no ataque, Seiya se deixa desabar sobre a água. Ao se levantar, olha de relance para o Giga, ainda vestido com o Adamas, que agora parece um traje morto.

- O que é isso? - o Cavaleiro não sabe o que dizer. O interior da armadura no fundo do lago transparente está vazio e já não emite calor nenhum. O Cosmo que parecia infinito desapareceu junto com as labaredas.

Dominado por uma insegurança indescritível, Seiya cambaleia para trás e se senta nas rochas da margem, esgotando definitivamente suas energias.

- Então o Giga filho de deus é só isso? - pergunta-se o Cavaleiro. Seiya tenta então escalar os rochedos, mas o ataque do Cometa desgastou demais o seu Cosmo. As pernas em frangalhos não obedecem e ele acaba rolando morro abaixo.


Parte 2

Há agora uma improvável camada de neve nas profundezas do vulcão Arima, e suas paredes estão inteiramente cobertas de gelo.

- Esta energia fria...! Cisne, você usou as técnicas do gelo. - Ortos, "o cão bicéfalo do mal", parece estar sorrindo sob sua máscara.

- Se essa armadura recebeu a proteção do sangue de Atena, isso explica por que ela repele a redoma de Flegra.

- Mal consigo falar - diz Hyoga.

- Moleque chato. Pelo menos chore bem alto quando tiver o corpo destroçado.

Ortos toma impulso. Seus pés afundam no chão duro, deixando pegadas nítidas. O Giga lança um ataque rasteiro, pesado e rápido como uma bala de canhão, transformando em pedregulhos uma coluna de pedra de cinco metros de diâmetro. Essa é a força dos Gigas, que se equipara e pode até mesmo superar a dos Guerreiros Sagrados que dominam as técnicas de luta de Atena.

- O poder de destruição é intenso... - Desviando seu corpo com um movimento fluido dos pés, Hyoga coloca-se num ângulo morto do ponto de vista de Ortos - mas, lerdo desse jeito, não será páreo para o Cisne.

O limitado espaço gelado é o campo de batalha de Hyoga. Quando seu Cosmo é elevado muito acima do normal, paralisa o movimento dos átomos. Essa é a técnica de luta do gelo.

- Pó de Diamante! - Seus braços desenham um cristal, congelando o Adamas do Giga e cobrindo com uma geada branca o brilho do rubi-estrela.

Hyoga olha com desprezo para Ortos, agora um bloco de gelo ao lado dos destroços da coluna de rocha, antes de expandir sua consciência para um campo muito maior, em busca dos outros Cavaleiros. Mas está muito difícil captar o Cosmo dos companheiros, talvez por estarem na Terra Santa dos Gigas, saturada com a hostilidade de Tífon.

- Mal consigo sentir o Cosmo de Seiya e Shiryu - diz Hyoga para si. - Não sei exatamente onde, mas sinto que os dois estão por aqui... Estou preocupado com Mei e Shun.

- Você está tão tranqüilo a ponto de se preocupar com os outros? - diz a voz de Ortos. O gelo se rompe com o ruído agudo de cristal se estilhaçando. - Com esse nível de frio, você não conseguirá congelar nem a primeira camada da minha pele protegida pelo nobre Adamas - rosna "o cão bicéfalo do mal".

- Aposto que essa armadura esconde uma densa camada de banha - responde Hyoga, em tom de deboche.

- Vou fazer você se arrepender dessa ofensa, Cisne!

Nesse exato momento, densas trevas cercam os oponentes. A caverna subterrânea perde sua sutil luminosidade.

- O campo de Flegra é inútil, uma vez que você está sob a proteção do sangue de Atena - explica Ortos, completamente invisível na escuridão. Não há sinal de sua brilhante armadura, cujas gemas mudam de tonalidade de acordo com a freqüência da luz que incide sobre elas. Em outras palavras, o breu é absoluto.

Hyoga fica alerta, mas mesmo assim não consegue impedir que suas costas sejam atingidas por um objeto voador que causa uma dor terrível. Atirado no ar e rolando pelo chão, o Cavaleiro se agacha instintivamente, antes que consiga se recompor. É possível ouvir o som do Traje Sagrado sendo limado pelo atrito.

- Saphiros Enedora! - a voz da fera maligna ecoa várias vezes, ocultando a localização do Giga.

Hyoga está perturbado. Como Ortos conseguiu precisar a sua localização naquela escuridão?

- Estamos no Templo dos Gigas! - É o próprio monstro que explica. - Aqui eu posso sentir exatamente onde você está, Cisne, enquanto você não enxerga absolutamente nada! Trema diante das presas das trevas!

Sem o menor sinal de um Cosmo, dentadas invisíveis penetram fundo na carne de Hyoga. Ortos solta uma risada provocativa.

"É como ser mordido por um animal selvagem", pensa o garoto. "Então o monstro bicéfalo da mitologia existe no mundo real?" Incapaz de determinar a posição do inimigo, Hyoga se sente perdido em um turbilhão de confusão. "Acalme-se", pensa. "O mestre lhe ensinou a permanecer calmo nestas horas, durante o combate. É preciso ser frio como as planícies geladas da Sibéria."

- Trema na escuridão, Cisne! Este é o temor! - A voz de Ortos está cheia de sarcasmo. Ele ataca novamente: - Saphiros Enedora!

As duas presas colidem contra algo nas trevas. Em pouco tempo aquele estranho brilho retorna à caverna. Hyoga enxerga agora as duas feras caídas perto de si. Tinham o brilho escuro da safira-estrela: eram as peças no formato de cães malignos que se apóiam sobre os ombros do Adamas. Antes, o Cavaleiro acreditava que seu adversário se impunha pela força, atacando pelo contato físico, mas nesse momento fica claro que ele manipula esses "cães" através de psicocinese. Assim, pode atacar de longe, uma habilidade perfeita para a escuridão.

- Ortos... vejo que você possui capacidade de mover objetos pelo pensamentos - diz Hyoga.

As peças de cães malignos estão presas ao chão por círculos de gelo. Nem mesmo a cinese de Ortos consegue movimentar as duas cabeças congeladas.

- É Kalitso, Círculo de Gelo - explica Hyoga. - Coloquei coleiras em seus cães de guarda.

- Mas como você descobriu a posição deles nesta escuridão?

Hyoga agita os braços, que cintilam em cortinas de gelo, envolvidos em finíssimas membranas de energia gelada.

- Achava que venceria um Cavaleiro limitando sua visão? - Hyoga precisou apenas do sutil som das cortinas de gelo se quebrando para localizar e capturar os dois cães malignos. Treinado na Sibéria Oriental, cujo inverno é um mundo praticamente sem sol, o Cavaleiro de Cisne foi ensinado por seu mestre Camus, a lutar nas trevas.

Hyoga avança, colocando-se a um passo de Ortos.

- Receba o maior ataque do Cisne! - Em uma fração de segundo o punho direito de Hyoga gera uma onda circular de frio. - Kholodnyi Smerch.

O ataque arranca o elmo do Adamas e um furacão gelado ergue alto o corpo pesadíssimo de Ortos, atirando-o com força contra o teto da caverna, ao mesmo tempo em que forma uma coluna de gelo com mais de dez metros de altura.

- Fique aí para sempre - diz Hyoga, antes de dar as costas ao Giga congelado.

Mas um estrondo faz com que o Cavaleiro do Cisne se vire de novo, rapidamente. O corpo de Ortos, "o cão bicéfalo do mal", rompe a coluna de gelo, caindo no chão.

- Ele não tem rosto?

Diante dos olhos descrentes de Hyoga, sob o elmo arrancado pelo Kholodnyi Smerch, não havia cabeça. Era um Giga acéfalo.

- Não... esse não é um Giga!

Gritando como uma fera, Ortos coloca os braços no chão, posicionando os quatro membros do corpo em contato com a terra. No espaço vazio deixado pelas ombreiras, duas cabeças de cão surgem como se a armadura fosse o casco de uma tartaruga.

Nem mesmo Hyoga consegue esconder o espanto diante da visão horrorosa.

- Mas isto é...

O monstro da mitologia, exatamente como era descrito.

Diante dele está um cão de duas cabeças, exalando maldade, coberto por uma armadura de Adamas. Seu porte é o de um urso gigantesco. Passando de bípede a quadrúpede, Ortos atinge Hyoga com uma velocidade incomparavelmente maior do que no ataque anterior. As duas cabeças malignas mordem os braços de Hyoga, com armadura e tudo. Não soltam a presa, agem como cães de briga treinados. Ortos agora é uma fera desprovida de razão.

- Você não é... nunca foi... um Giga filho de deus! - Apesar da dor, Hyoga consegue desvencilhar os braços das presas dos cães malignos.

Como uma fera enlouquecida, Ortos lambe prazerosamente o sangue de Hyoga ao redor das presas.

- Você é um monstro disforme criado por uma brincadeira medonha de Tífon - diz o Cavaleiro ferido, juntando as mãos à sua frente e erguendo, com a força que lhe resta, os braços dilacerados.

O "Ki" gelado enche o ar.

Reagindo à mudança, Ortos avança novamente sobre Hyoga.

Ao descer os braços que havia colocado sobre a cabeça, Hyoga lança o Cosmo acumulado dentro de si, impossível de ser detido e explosivo, na mais poderosa das técnicas de combate de gelo - a técnica que o Cavaleiro herdou de seu mestre, Camus.

- Execução Aurora.

No mesmo instante tudo se congela. O frio infinitamente próximo do zero absoluto apaga o brilho da safira-estrela da cor das trevas. O Adamas perde sua energia mística e agora não passa de uma armadura exageradamente pesada. Até mesmo a voz do monstro demoníaco, uma mistura de prantos e urros, congela-se instantaneamente.

Ortos, "o cão bicéfalo do mal" é reduzido a lascas de gelo e desmorona em pedaços.

Mas o preço da vitória é alto. Depois de converter toda sua energia vital em frio e transformar a caverna numa gruta de gelo, o guerreiro silencioso cai no sono.


Parte 3

- Cólera do Dragão!

Canalizando todas as forças do corpo, o ataque do Cavaleiro de Dragão atinge com tudo Ladon, "o dragão de cem cabeças", e o arremessa contra uma coluna de pedra da caverna.

- Fuja, Mei! - diz novamente Shiryu para o irmão.

- Não morra, Shiryu.

- Eu irei depois de você. Prometo.

Acenando com a cabeça, Mei sai por um grande vão com rochas pontiagudas - a cavidade bucal de uma fera colossal - rumo a um corredor que o leva ainda mais fundo, nas entranhas da Terra.

Shiryu concentra o seu Cosmo até não ouvir mais os passos de Mei, conduzindo-o em seguida na direção do inimigo. Várias pedaços da coluna de rocha, tão grandes que seriam necessários dois braços para envolvê-los, são destruídos, reduzidos a pó e somem como partículas pelo ar.

- O quê...?! - Diante do som inusitado das pedras sendo trituradas, o Cavaleiro cego assume posição de defesa.

- Você é o Cavaleiro de Dragão...

- Por que fala como se me conhecesse?

- Porque eu o conheço desde quando as estrelas nasceram nesse Universo - responde o monstro, revelando o seu corpanzil assustador. Seu Adamas com nebulosas de estrelas multicores emite o brilho de opala de cor das trevas. - Meu nome é Ladon, "o dragão de cem cabeças".

- O quê...? - Shiryu recua, hesitante. - Nunca enfrentei um inimigo com um Cosmo tão poderoso, tão avassalador! E não é só isso...

- Eu também sinto o seu Cosmo, Shiryu.

- O seu Cosmo é igual ao meu... - balbucia Shiryu, perturbado diante das sensações provocadas pela presença de Ladon. O Cosmo do monstro tem o mesmo tom, a mesma ressonância do seu.

- Eu o conheço. Conheço a estrela do seu destino - afirma Ladon.

- A minha estrela...?

- A Estrela Celeste do Dragão.

Ao ouvir essas palavras, Shiryu se recorda de uma antiga fábula. Ladon é o nome de um monstro da mitologia grega, o dragão que nunca dorme, guardião dos pomos de ouro do Jardim das Hespérides, situado no limiar entre o dia e a noite.

- Segundo as lendas... - diz, para si, Shiryu - Ladon foi elevado as céus...

- E se tornou a Constelação do Dragão. A sua constelação, Cavaleiro.

- Mas como pode? - reage o garoto, perplexo. - Então somos protegidos pela mesma constelação?

- Os humanos enxergam as estrelas dos humanos - explica o monstro. - Os Gigas enxergam as estrelas dos Gigas. Eu e você temos os mesmos destinos estelares, mas sob a proteção de deuses diferentes. Somos, portanto, inimigos naturais... inevitavelmente obrigados pelo destino a nos enfrentarmos. Por isso deixei que Mei fosse embora. Aquele humano frágil que foi marionete do meu pai já foi derrotado por mim. Ele está seriamente ferido, é um inútil agonizante. Jamais conseguirá chegar ao ponto mais profundo deste Templo subterrâneo, a transição entre Gaia e o Tártaro.

- Você está dizendo então que deixou Mei fugir?

Apesar de ser atingido de frente pela Cólera do Dragão, o Cosmo de Ladon se eleva ainda mais.

- Diga, Cavaleiro de Dragão. Pelo que estou vendo, você não enxerga. Atena é vil a ponto de outorgar o traje sagrado a guerreiros nessas condições?

- Se quer me subestimar por não enxergar, tudo bem. Mas não admito que ofenda Atena! Se a minha alternativa for tremer diante da cegueira e abandonar meu orgulho de guerreiro, prefiro mil vezes a morte digna!

- Cale-se, humano. Inteligência a serviço de artimanhas rasteiras, raça forjada na mentira e na falsidade. A guerra entre os Gigas e os humanos não precisa de razões. - proclama Ladon. - A batalha entre os deuses, dotados da única Verdade que existe no Universo. E, Shiryu, basta um guerreiro para cumprir o destino da nossa constelação.

- Eu e você nascemos sob a mesma estrela...

- Você, Shiryu, Cavaleiro de Dragão.

- E você, Ladon, o Giga com o nome de Dragão.

- Você vai morrer. Não precisamos de motivos. A sua existência é desagradável.

Mas Shiryu não se deixa derrotar tão facilmente. Graças ao traje sagrado sob proteção do sangue de Atena, o Cavaleiro é capaz de romper o "temor" do deus dos Gigas, convertendo a sua lealdade à deusa em força.

- Quem deve morrer são deuses viciados como Tífon, que bloqueia o mundo com cinzas. Eu, Shiryu, vou inflamar a minha alma para lutar por Atena e pela paz na Terra.

- Você vai morrer - insiste Ladon, fincando os pés na terra. - E eu vou devorar você!

O braço direito do Adamas, representando a cabeça do dragão maligno, solta um facho de luz que atravessa a caverna. Ouve-se o som de algo ricocheteando, seguido pelo estrondo do desmoronamento da parede atrás de Shiryu. A onde de choque, idêntica à que atravessou Nikol, foi desviada pelo Cavaleiro do Dragão.

- Esse escudo... - Ladon observa o escudo que repele o mal.

- Dizem que a grande cachoeira dos Cinco Picos Antigos de Rozan é formada pela poeira de estrelas da Via Láctea que cai do céu. - descreve Shiryu. - O traje sagrado do Dragão permaneceu em repouso no leito dessa cachoeira. banhado pelo peso esmagador das águas de galáxias, desde os tempos imemoriais. Por isso o escudo d Constelação é o mais resistente dos escudos.

- Não me diga... Um escudo do Dragão.

Sem mais enrolação, Shiryu ataca, fazendo do próprio corpo a sua arma.

- Dragão Voador!

Mas o gigantesco Cosmo de Ladon repele o Cavaleio, atirando-o ao chão.

- Recebi este poder, este corpo, do meu pai. Um reles humano como você jamais poderá tocá-lo. - Ladon olha Shiryu com desprezo.

- Um simples movimento de defesa... - diz Shiryu. - Pela dor parece que todos os ossos do meu corpo estão quebrados... Que Cosmo assombroso tem esse Giga!

- No entanto, parece que precisarei de algum esforço para romper a defesa desse escudo do Dragão.

Shiryu salta para trás, procurando estabelecer uma boa posição de luta.

- Tem medo de mim? Pois sua alma será devorada apenas ao se postar diante do meu senho. Será melhor para você morrer por aqui mesmo.

Shiryu sente o Cosmo de Ladon se expandir continuamente, em todas as direções.

- Seja envolvido pela destruição! - grita o monstro. - Polyolkya!

Uma declamação de destruição, auto-suficiente, desprovida até mesmo da intenção de matar. Uma visão poderosa invade o mundo sem luz de Shiryu. Nada importa ou adianta: o escudo, o traje sagrado, nenhuma defesa que conhecia. Imagens das trevas.

- Um pesadelo... - este é o meu futuro...? - pensa o Cavaleiro.

Um dragão tenebroso, no formato de um peixe abissal, devora o espírito de Shiryu, que solta um grito horrorizado.

- Será que foi maldade demais aplicar uma ilusão na mente de um cego? - pergunta Ladon a Shiryu, que permanecia paralisado. - Humph. Enlouqueceu ao ver um futuro no qual é devorado. Como é frágil a consciência humana. Não deve mais estar ouvindo a minha voz. Pois bem! Agora é a vez de dar um fim em seu corpo e em sua armadura.

Ladon atira uma onda de choque igual à que havia atravessado o coração de Nikol, mas Shiryu consegue bloquear o ataque com o seu escudo.

- Shiryu, ainda tem forças para mover os braços depois de ter o espírito destroçado pelo dragão maligno da Polyolkya?

- Ladon... Você disse que os humanos são frágeis. É verdade. O corpo é fraco, e o espirito, mais ainda. Mas as pessoas podem se tornar mais fortes através dos outros. Podem lutar pelos amigos, por aqueles em que acreditam.

- He, he, he - o monstro ri das palavras do Cavaleiro.

- Esse sentimento humano é muito mais forte que vocês, Gigas, que só se limitam a obedecer ao temor de Tífon!

Com isso, Shiryu tira a armadura da sua constelação, despindo-se do próprio traje sagrado.

- Sem dúvida enlouqueceu sob efeito das ilusões da Polyolkya - conclui Ladon.

- Agora que eu sei que o seu ataque atinge o espírito, o traje é desnecessário - declara o Cavaleiro.

Um dragão brota nas costas de Shiryu no momento em que ele tira a armadura.

- Uma tatuagem...?

Não é uma tatuagem. O Dragão Ascendente surge às costas de Shiryu quando o Cosmo de sua alma atinge o seu ponto culminante.

- O Dragão sempre derrota o seu inimigo - afirma o garoto. - Nem que para isso minha alma tenha que queimar até o fim.

Sua energia vital torna-se flamejante. Apenas os verdadeiros dragões são envolvidos por ela.

- Antes disso... desta vez, vou devorar a sua alma. Vou extingui-la!

- Quem vai ser extinto é você, Ladon, seu dragão maligno.

O dragão ascendente adota como morada o punho direito de Shiryu, cujo Cosmo atinge o limite máximo.

- Destrua-se... Polyolkya! Cólera do Dragão!

Shiryu não pode ver, mas percebe que o Cosmo do Giga "dragão de cem cabeças", que se mostrava tão poderoso, desaparece naquele momento.

- Eu... derrotei... Ladon... - O Cavaleiro cego se ajoelha, extenuado. Foi quase um milagre que tenha conseguido lançar o último Cólera do Dragão. - Foi Atena que meu deu força... os meus amigos, os meus irmãos...

Com isso o corpo de Shiryu tomba para a frente. Antes de perder a consciência, ele procura pelo Cosmo dos seus companheiros, sentindo, ainda que infimamente, o Cosmo de Seiya e Hyoga. Mais ao fundo, nas profundezas, consegue sentir o Cosmo de Shun.

- Onde está você, Mei...? - As palavras de Shiryu soam como as de uma pessoa em delírio. Por mais que tente, não consegue sentir o Cosmo de Mei. - Por que não consigo sentir onde está o Cosmo de meu irmão... sangue do meu sangue? Mei...

Shiryu usa suas últimas forças para esticar o braço. Na tentativa de procurar o irmão, perde os sentidos e fica por ali, deitado de bruços.

- Seiya!

A voz de Mei faz com que Seiya de Pégaso recupere um pouco a consciência. Sua visão está turva, não consegue focar em nada. Talvez seu cérebro o esteja anestesiando. Mal sente as pernas, destroçadas pela espada de Quimera, "a fera pluriforme".

- Suas pernas... Você lutou com o Giga filho de deus, não é?

- Ah, foi moleza.

- He, he. Se consegue tripudiar assim, então está tranqüilo - diz Mei.

- Se você não tivesse feito a loucura de invadir sozinho o esconderijo do Tífon...

- Está bem, foi falha minha.

- Sem você e sua armadura, o Tífon...

- Então o oficiante-mor já contou para você... - Mei faz uma pausa antes de continuar. - Nikol morreu.

- O quê?

- Minha obrigação de Cavaleiro é cumprir a missão não concluída dele. Gostaria de ficar pra cuidar de você, mas preciso ir para onde o Tífon está.

- Vai lá. Não esquenta comigo.

Mei deita Seiya com cuidado no chão, levanta-se e corre sem olhar para trás.

Ainda entorpecido, praticamente inconsciente, Seiya tenta captar o Cosmo de Mei, sem sucesso. Só consegue sentir, de leve, o Cosmo de Shiryu, Hyoga e Shun.

- Por quê, Mei? Você acabou de passar por aqui e não há sinal do seu Cosmo.

Seiya tenta chamá-lo, mas não tem mais forças para dizer o nome do irmão.

- Hyoga!

Ao ouvir a voz de Mei, Hyoga de Cisne ergue seu rosto o máximo que pode.

- Um Cavaleiro do seu nível... nesse estado tão horrível...

- Não olhe. São ferimentos resultantes da minha imaturidade. - Hyoga esconde, envergonhado, os braços retalhados por Ortos, "o cão bicéfalo do mal".

- Mei, você está bem e isso basta. Sem você e seu traje, Tífon...

- Hyoga... O que você pensa do nosso pai?

- Por que perguntar isso numa hora dessas? - O garoto já não consegue medir as verdadeiras intenções do irmão.

- Quem era, pra você, o homem chamado Mitsumasa Kido? - insiste Mei.

- O homem que eu odiava - responde Hyoga. - Mas isso mudou... Minha mãe dizia que ele era uma pessoa maravilhosa, que se empenhava para a paz do mundo. Eu nunca entendi. Hoje... eu não consigo explicar com palavras... mas, à medida que fui lutando com Atena, com meus amigos, com vocês, meus irmãos... à medida que fui percebendo o destino da minha estrela... Mitsumasa Kido se sacrificou pela missão que foi imposta a ele pelas estrelas. Estou cada vez mais tranqüilo em relação a isso.

- Obrigado, Hyoga.

Por que está agradecendo?

- Preciso ir. Vou atrás de Tífon. Vou selá-lo - Despedindo-se de Hyoga, Mei desaparece de vista, descendo rumo ao ponto mais profundo da "Morada de Typhoeus".

Irritando-se consigo mesmo por seu estado atual - incapaz de mover ao menos um dedo como gostaria - Hyoga vasculha os arredores em busca de alguém.

Mais uma vez, o Cavaleiro sente, embora minimamente, o Cosmo dos seus outros irmãos, mas não há sinal de Mei, com quem acabou de falar.

- Por quê? - O silencioso guerreiro de gelo adormece, levando consigo a estranha dúvida que surgiu.

O altar maligno de terras estranhas que aprisiona a mulher-serpente grávida estremece.

O "Casulo do Tempo" que envolve Equidna pode se romper a qualquer momento.

Um vento...

- Ortos - chama Tífon. - Quimera... Ladon. - Tífon engole algo. Algo que se assemelha a vestígios do Cosmo dos outros, reduzidos a chamas de auras, transportados pelo vento de tempos fugidos, sugados pelas narinas de Tífon para dentro de seu organismo.

- Não preciso mais de Gigas velhos como meus queridos irmãos. - A língua negra atravessa os lábios. - Tampouco preciso dos filhos Gigas que fiz nascer por pura diversão. Basta que eu esteja aqui. Sou a prova de que os Gigas viveram - completa, sorrindo acidamente.

- Eis um Cavaleiro de Atena. - Ardendo ainda mais as chamas da metade direita do seu corpo e fazendo correr mais e mais relâmpagos pela metade esquerda, o ainda dormente deus dos Gigas se vira para trás. - Você veio, Mei. Vou devorar você.


Parte 4

- Shun!

O Cavaleiro de Andrômeda, que sacrificou a sua única arma de ataque para transmitir a Atena a localização dos Gigas, está amarrado a uma coluna do Templo. Não parece estar consciente. Não há nem mesmo como afirmar se está vivo.

Mesmo que esteja, certamente está sem forças por causa do campo de Flegra, uma vez que não recebeu a proteção do sangue de Atena. É um Cosmo praticamente apagado pela tempestade de Tífon.

- Então você chegou, Mei, minha marionete. - O deus assimétrico trajado com o Adamas de ônix da cor das trevas encara o frágil humano com desprezo.

Estão numa grande gruta, maior que o templo selado sob o Monte Etna: "A Morada de Typhoeus". Sobre o altar de terras estranhas, está pregada uma mulher.

- Essa aí é a Equidna? - Mei engole em seco diante da visão belíssima e ao mesmo tempo horrenda do corpo nu da mulher. Parece uma brincadeira de mau gosto de um deus vil. Seria ela uma vitima?

A mulher tem cabelos negros e macios, a pele sedosa, os seios redondos como uma deusa da fertilidade e a cintura esguia um corpo feminino impecável. Porém, sua metade inferior foi transformada em serpente.

O Calabouço do Tempo Estagnado...! - Mei sabe o nome do selo, por isso pode imaginar o que iria acontecer. Aquele "Casulo do Tempo" não pode se romper. A mulher-serpente, forçada a carregar o destino de Equidna, não deve despertar. A mulher está grávida: traz no ventre algo que não deve ser gerado.

- Equidna...

- Minha forma feminina. A última mulher Giga. Está grávida do meu verdadeiro corpo carnal. Equidna em breve irá despertar.

- Não vou deixar. - Mei avança em direção ao gigantesco corpo de Tífon, que se ergue sobre o vão entre Gaia e o Tártaro.

Uma centena de serpentes lambe o seu corpo quando a ventania passa por ele. Os cabelos prateados esvoaçam para trás. Mas Mei não tem o "temor".

- Tem a proteção do sangue de Atena? - Tífon, com a língua negra de fora, produz um som incômodo de vento com os dedos da mão esquerda.

- A redoma...

- O campo de chamas terrenas é agora dispensável.

Tífon inspira fundo e absorve, pelo nariz, toda a energia que havia usado no campo de força, A tênue luminosidade se esvai, e uma escuridão absoluta preenche todos os espaços da caverna. O único ponto luminoso agora é o halo de chamas e relâmpagos do próprio Tífon. Apenas seu corpo divino ilumina o templo subterrâneo.

Desse ângulo Tífon parece ainda maior. Será uma ilusão provocada pela luz? Sua figura colossal personifica nitidamente o "temor" de contrariá-lo nesta Terra Santa dos Gigas.

Mei caminha em direção ao Templo.

- Cada vez que me aproximo de você usando o traje sagrado...

- A cada passo que dá, a cada ocasião que me contempla...

- Eu me lembro...

- Eu me lembro...

- Ó deus do Gigas...

- Guerreiro Sagrado de Atena.

- Estou aqui para selar o seu destino.

- Sinto o fedor do sangue podre de Atena.

- E eu ouço a voz da Atena de tempos antigos.

- Está fedendo. Tire esse traje sagrado maculado.

Um momento muito breve, formado por ataques e defesas em alta velocidade, rompendo o próprio tempo. Um instinto assassino, escuro e calado, percorre a atmosfera em todas as direções. Os fios de oricalco dissolvidos nas trevas são incinerados pelo hemisfério direito de Tífon e rompidos pelo hemisfério esquerdo.

O deus dos Gigas balança as mãos para que as chamas atinjam a rocha e os relâmpagos toquem o teto, as paredes e o piso do Templo, queimando-os. Chuta o chão para provocar ventanias, e com isso ondas de vácuo correm ensandecidas pelo ar. Não há técnicas ou habilidades, apenas um poder divino capaz de estremecer os céus.

Agitando os grandes escudos dos dois braços, Mei consegue se esquivar dos ataques do deus gigante.

- Mei. Minha marionete. Estou me divertindo. Afinal, você não é tão forte.

Embora ainda incompleto, Tífon é um deus. Um frágil humano jamais poderia igualar sua força.

- Mei, minha marionete. Isto é divertido.

- Qual é a graça?

- Agora você é constelação sem estrelas, e a lembrança de sangue amalgamado a esse traje maculado... você é marionete de Atena.

- Não sou marionete.

- Qual a diferença entre mim e Atena? Eu guio pelo temor. Atena acorrenta pelo amor. Os guerreiros dos deuses, escolhidos pelas estrelas, lutam e dão a vida pela Vontade de Divina.

Nesse momento, Tífon exala sua energia vital. Mei é atirado contra uma parede pelo "Kiai" liberado em todas as direções, levando consigo seus escudos e toda a armadura. Os dois olhos de Tífon brilham mais intensamente na escuridão, encarando Mei. O olhar maligno se fixa nas pernas de Mei, criando uma onda de destruição assassina.

Mei perde a fala. Sua perna esquerda está quebrada. Pior: foi arrancada do corpo.

- O que me diz? Ainda terá a empáfia de dizer que não é uma marionete? - Tífon ironiza Mei.

Encostado à parede, Mei permanece em pé com a perna que lhe resta e olha para a coxa da perna esquerda que já não tem.

- O que aconteceu com o meu corpo? - pergunta-se o garoto.

- Por que não sangrou quase nada? - De fato, a fraca hemorragia não parece proporcional à gravidade do ferimento. - Na batalha que enfrentou antes de vir aqui, você foi derrotado, perdeu bastante sangue e saiu semimorto. Ou morto. - O monstro refere-se à luta com Ladon, "o dragão de cem cabeças".

- Eu fui burro e me precipitei. Perdi. - recorda-se Mei. Sem dúvida sangrou muito naquele confronto, mas ainda assim teve forças para testemunhar a morte de Nikol e, encorajado e salvo pelo Cosmo dos seus irmãos, Shiryu, Hyoga, Seiya e Shun, e sob a proteção do sangue de tempos antigos de Atena, conseguiu chegar afinal diante de Tífon para cumprir o destino da Armadura de Coma Berenices.

- Os frágeis humanos morrem ao perder um terço do sangue - continua o deus dos Gigas. - Ponha a mão sobre o coração. Sinta o seu pulso.

Mei não consegue acreditar: não há sinal de pulsação ou batimentos cardíacos.

- Um ser humano que fala após perder todo o sangue... Se não é uma marionete, o que é então?

- Uma constelação sem estrelas e a memória do sangue amalgamado a um traje maculado.

- Você é uma marionete de Atena.

- Minha vontade deve estar se esvaindo enquanto digo estas palavras. O meu Cosmo...

- Chegou a hora. O tempo se rompe.


Parte 5

O deus dos Gigas deixa Mei largado no chão e caminha em direção ao altar. Aprecia com olhar de pura luxúria a última das mulheres Gigas, a forma feminina escolhida.

- Equidna...

Por que a mulher Giga não é dizimada pelo temor ao ter o nome pronunciado pelo deus que cultua? Será por causa do lacre do "Calabouço do Tempo Estagnado"? O mais provável é que Equidna não seja o seu verdadeiro nome, e sim um apelido de desprezo dado a uma pobre mulher que teve a metade de seu corpo transformado em serpente numa brincadeira sinistra de um deus.

- Aqui estou eu. - Tífon dirige a voz para a barriga de Equidna. - Meu verdadeiro corpo carnal.

Nesse momento rompe-se o casulo temporal, a bolsa fetal. O ventre de Equidna começa a se mover. Seus longos cabelos ondulam. Sua pele sedosa começa a ficar levemente vermelha. Os seios redondos balançam e a cintura fina se move de forma sedutora.

- Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah! - grita a mulher com as dores do parto.

A criança rasga por dentro a barriga da serpente. Não tem cabeça. Aquele ser feito unicamente de corpo, parecido com um feto, o verdadeiro corpo de Tífon, é uma grande pedra preciosa, ainda mais transparente que o cristal. O brilho do Adamas é o do diamante da cor das trevas: supremo.

- Ó meu verdadeiro corpo carnal - Tífon chama a si mesmo.

Move-se a Vontade Divina do deus gigante das tempestades. Da mesma forma que fez no Monte Etna, quando se transferiu do corpo de Mei para o do sumo sacerdote Encélado, sua aura agora se transfere para o receptáculo de Adamas das trevas.

Mas, antes que consiga realizar a operação, o altar é envolto em chamas. No templo subterrâneo fechado pelas trevas, onde até há pouco ele mesmo era única fonte de luz, Tífon pára, iluminado pelas chamas que incineram o altar. Sua Vontade está congelada. A forma feminina de Equidna é consumida pelas chamas infernais do carma, diante de seus olhos, sem que possa fazer nada.

Os longos cabelos da mulher queimam, a pele está em ebulição, o ar quente aspirado pelos pulmões corrompe a carne por dentro.

- Ave Fênix!

Tudo isso foi transformado em cinzas pelo bater flamejante das asas.

O receptáculo de Adamas que rompeu a barriga da serpente, frágil e vago, imediatamente se transforma em carvão e se perde na forma de cinzas.

- Onde está o meu verdadeiro corpo carnal? - A Vontade Maior fica durante algum tempo hesitante, sem destino.

- Ikki! É você... - Mei reconhece o Cavaleiro pela cicatriz que tem na testa. O sobrevivente do inferno, envolto pela aura do Pássaro Imortal. O espírito inabalável, o mais forte dos irmãos que Mei conhecera.

- Você é o Cavaleiro da Constelação de Fênix - diz Mei, erguendo o corpo encostado à parede.

- Você é o Mei. Mas por que não sinto o seu Cosmo?

- Dizem que o Cosmo percorre a corrente sangüínea - explica Mei, falando quase que apenas para si mesmo. - Eu perdi até o vínculo de sangue... - Mei sorri para Ikki, o sobrevivente que há muito já não sabia sorrir.

- Todos morrerão! - Com isso explode a Vontade Maior de Tífon. Tudo começa a queimar e a ser destroçar. Tífon, que até agora preservara a aparência divina, entra numa espiral crescente e deformada de loucura, como um tufão sem o olho.

- Leve Shun e saia daqui - diz Mei.

Em meio à tempestade de Tífon, Ikki arranca as correntes que prendem seu irmão materno e, depois de se certificar de que estava respirando, carrega-o nos ombros.

- Não vai me perguntar nada?

- Para você, que já morreu? O que eu perguntaria para um homem morto?

- Ikki... talvez eu já tenha perdido até mesmo os laços de sangue que nos uniam. Mesmo assim, só posso pedir uma coisa a você. Cuide dos meus irmãos. - Mei sorri.

Fênix, o Cavaleiro que não sorri, sai calado com Shun.

O Guerreiro da constelação de Coma Berenices, o portador do traje sagrado sem hierarquia, observa-os até saírem de seu campo de visão e, em seguida, volta-se para o deus.

Os cachos de fios de oricalco, totalmente alheios à vontade de Mei, haviam crescido até a perna arrancada e a recolhido, trazendo-a para junto do garoto. Os fios fecham as feridas e suturam a amputação.

Mei se levanta e anda na direção do deus dos Gigas, que corre, desesperado, pelo recinto. No campo de batalha da Gigantomaquia estão apenas Mei, Tífon e as cinzas da destruição. O mundo do Cavaleiro está no mais absoluto silêncio.

"Finalmente ouço a voz das estrelas", pensa.

- Deus ex machina. - diz então. - Você é um "deus por meio de uma máquina".

Mei doma os fios cortantes que se mesclam às trevas.


Deus Ex Machina

Atividade vulcânica que tinha se manifestado em diversos pontos do mundo começa a retrair e se conter.

Os Guerreiros Hyoga de Cisne e Shiryu de Dragão retornam respectivamente à Sibéria Oriental e aos Cinco Picos Antigos para se recuperar dos ferimentos.

Ikki e Fênix, que salvou os irmãos da "Morada de Typheous", desaparece novamente para algum lugar desconhecido.

Seiya permanece com Shum no Santuário.


O Odeon, teatro a céu aberto situado numa colina a noroeste da Acrópole, com capacidade para seis mil pessoas, recebe esta noite o teatro clássico grego. A peça a ser interpretada é novamente a Trilogia Orestéia, de Ésquilo.

Orestes, o matricida, filho de Agamenon, rei de Micena - assassinado por sua esposa, a rainha Clitenestra, por ter oferecido a filha em sacrifício para vence a guerra de Tróia, um crime hediondo e trágico. Perseguido pelas temíveis deusas da vingança Erínias.

Condenado à loucura e forçado a anos de vida errante. Orestes novamente consulta o Oráculo de Delfos e, seguindo suas ordens, submete-se a julgamento em Atenas, pelo crime de matricídio.

A deusa da guerra e da sabedoria, protetora da cidade de Atenas, preside o julgamento do qual participaram as denunciantes, as três deusas da vingança, e o defensor, Apolo, deus de Delfos. Outros importantes deuses descem à Terra para assistir à sessão.

Os votos dos jurados se dividem em número absolutamente igual entre os que pediam a condenação e a absolvição. No entanto, graças à espetacular defesa do articulado Apolo, a deusa virgem Atena dá o voto de desempate a favor da absolvição de Orestes.

Insatisfeitas, as deusas da vingança ainda tentam persegui-lo, mas Atena intervém a seu favor. Orestes é finalmente salvo da loucura de seu crime. Fim.

- Nossa! - Shun está impressionado com a apresentação. - Pode acordar, Seiya.

- Hummm... Aah. Acabou? - O Cavaleiro de Pégaso boceja de leve.

- O que você achou?

- Legal! - Seiya está claramente mentindo.

"Legal, mas dormiu o tempo todo...", pensa Shun, dando de ombros.

- Foi legal, mas na próxima me convida para assistir a uma peça mais divertida.

- Na próxima, vai ser uma comédia.

Os dois Cavaleiros respiram fundo o ar noturno e olham para o céu, ainda opaco por causa das cinzas espalhadas pelo deus dos Gigas.

- Ainda vai levar um bom tempo para desaparecerem os efeitos das cinzas do Tífon...


- Você é um "deus por meio de uma máquina" - diz Mei.

Os dois escudos laterais do traje de Coma Berenices lançam centenas de milhares de fios cortantes. Pouco a pouco, os escudos no formato de lágrimas perdem a forma. Os braços, o peitoral, todo o traje sagrado está se desmanchando.

Os fios cortantes se misturam às trevas do gigantesco espaço vazio do templo subterrâneo, preenchendo o espaço como o casulo de um bicho da seda. Tífon está aprisionado, suspenso no ar pelos fios que atravessam todo o seu corpo.

- O tempo pára - declara Mei. - Ou o sangue de tempos antigos de Atena, amalgamado ao traje sagrado. Ou então as estrelas.

Este já não é o Templo dos Gigas. É o Templo do selo de Atena.

- A Prisão do Templo Estagnado. Tífon, eu o selo.

O "Casulo do Tempo" que envolve Mei e Tífon é o lacre de tempos imemoriais de Atena.

- Você, me selar? - duvida Tífon, zombeteiro. - Por quanto tempo um humano frágil como você poderá me deter? Cem anos? Mil anos? Dez mil anos? Para mim, para a Vontade Divina imortal, isso não passará de um breve momento, um piscar de olhos.

- Um breve momento. Neste calabouço no vão entre Gaia e Tártaro. Vamos passar este momento eterno juntos caindo neste abismo.

- Que sejam cem anos. Mil. Dez mil. Em algum momento este "Casulo do Tempo" se romperá. Então a minha Vontade estará livre. E, quando esse dia chegar, mesmo que o traje sagrado banhado com o sangue de Atena ainda esteja por aqui, você, que já está morto nesta encarnação, já não estará mais.

- É o destino.

- Um destino mesquinho.

- As estrelas não se esquecem. - É o desejo de Mei. - Basta que haja paz sobre a Terra como prova de que os cavaleiros viveram.

- Por que me contraria?

- Tífon, deus ex machina, foi você que puxou conversa primeiro. Foi também você que disse que não precisava de razões. Por isso, esta é a Gigantomaquia. Esta é a batalha que não faz sentido em deixar para a História.

- Então... dormirei pelo breve instante de um piscar de olhos.

Nesse instante, mais uma estrela se desgarra do firmamento e cai.


É noite no Santuário. No cume da montanha, fica o mais límpido Templo de Atena.

A donzela de cabelos acinzentados, elegantemente trajada com um vestido branco, está de pé no ponto mais elevado da região sagrada. Seu corpo e seu espírito foram confiado à abóbada celeste, recipiente do Universo.

- Se esse é meu destino... - Atena olha para as estrelas.

Pega as saudosas memórias que transbordam de seu coração e as ergue carinhosamente para o Firmamento, onde deveria estar a constelação sem estrelas.

- Eu farei o meu papel. A Vontade de Atena.

É o que deve fazer, pelo Amor e pela Justiça sobre a Terra.


                                            FIM


Posfácio

Comecei a desenhar Cavaleiros do Zodíaco para ser um mangá como ninguém havia feito antes, situado numa escala grandiosa, e totalmente voltado para o entretenimento. Enfrentei uma série de dificuldades nos primeiros momentos. Quando a série começou, os Guerreiros Sagrados, os Cosmos, o Santuário, o enfoque baseado na mitologia grega, tudo isso foi considerado difícil para os leitores.

Eu passava o tempo todo recolhido no ambiente de trabalho, e, a cada episódio, esgotava todos as minhas idéias, de forma que, na semana seguinte, tinha que partir do zero. Ficava completamento exausto. Gradativamente, a série foi fazendo sucesso e, quando a primeira edição dos livros da série superou um milhão de exemplares vendidos, pude sentir de verdade uma grande surpresa.

Desde então, tenho recebido vozes de apoio do mundo inteiro.

Hoje, novamente grandes projetos relacionados a Cavaleiros do Zodíaco estão sendo iniciados, um deles esta novelização da série.

Ainda hoje ela recebe apoio. Não poderia haver recompensa maior para um autor.

Espero que você ainda continue acompanhando o universo dos Cavaleiros por muito tempo.


                                                                      Masami Kurumada
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.